Risco vem de não saber o que você está fazendo

Hoje irei falar sobre o processo de recuperação judicial da empresa concessionária de Rodovias Tietê. Tratarei do possível calote de mais de R$ 1,0 bilhão em debêntures incentivadas de infraestrutura emitidas pela companhia. Se confirmada, a inadimplência vai afetar mais de 18 mil investidores pessoas físicas.

Com o vencimento antecipado declarado no dia 8 de novembro e o não pagamento da dívida, foi realizada a marcação a mercado das debêntures, que tiveram o seu valor reduzido para zero (calote) nos fundos de investimento no mercado.

Você sabe o risco que está correndo ao investir?

O título do texto de hoje é uma frase de Warren Buffett, o maior investidor do mundo, conhecido como o “Oráculo de Omaha”. Essa frase é bastante aplicável ao caso da Rodovias Tietê. Tenho certeza de que a maioria dos investidores não tinha a menor ideia do risco que corria quando investiram nas debêntures incentivadas (isentas de imposto de renda) de infraestrutura da concessionária.

Aqui pretendo listar três grandes riscos que os investidores muito provavelmente não levaram em consideração ao investir nessas debêntures: risco de liquidez, risco de crédito e risco de execução da empresa de concessão.

“Para encurtar a história: quando ouvimos algo bom demais para ser verdade – não é” Tenente Aldo Raine, do filme Bastardos Inglórios.

Quem investiu nas debêntures incentivadas em 15 de junho de 2013 (estreia da Tietê) contratou um polpudo rendimento de IPCA+8% ao ano, com isenção de imposto de renda, bem acima da remuneração dos títulos públicos Tesouro Direto IPCA+ (antiga NTNB), que pagavam, à época, IPCA+ 5,5% ao ano.

A diferença de rentabilidade entre as debêntures e os títulos do Tesouro Direto de base equivalente era bastante grande, especialmente após os impostos. Considerando-se a mesma base de comparação, o prêmio pago pelas debêntures era de 3,3 pontos percentuais, usando-se como referência que o rendimento dos títulos do Tesouro Direto seria tributado em 15% (o Imposto de Renda para aplicações de prazo superior a 24 meses). Em base comparável: IPCA+ 8,0% ao ano para as debêntures da Tietê (isento de impostos) versus Tesouro Direto IPCA+ 2024 com rendimento, após impostos, de 4,7% acima da inflação (IPCA).

A debênture tem um rendimento bruto de 3,3 pontos percentuais acima do rendimento do Tesouro Direto (IPCA+). Parece bom demais para ser verdade, não é mesmo, tenente Aldo Raine?

Confira o artigo completo no site da Investing

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel