guedes e marinho eeci

Disputa entre Guedes e Marinho

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A relação entre Rogério Marinho (PSDB-RN), ministro do Desenvolvimento Regional, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, está em seu pior momento desde o início do governo. Antes secretário especial da Previdência e Trabalho, Marinho chegou a ser aliado de Guedes para promover a articulação política necessária para ter o texto da reforma previdenciária aprovado, em 2019.

No entanto, os desentendimentos entre os dois remetem à mesma época, quando o economista e o ex-deputado federal divergiram sobre o tema da capitalização – que acabou não prosperando. Alguns episódios, como o da MP da Carteira Verde-Amarela, continuaram deixando esticada a corda entre os dois. O ápice do desgaste, porém, vem desde o início da pandemia, logo após Marinho assumir o ministério do Desenvolvimento Regional.

O então novo ministro buscou os militares para disseminar a visão de que o Estado deveria ser reduzido não somente para fins de austeridade, mas também para aumentar o investimento público. Com o advento da pandemia, a pressão aumentou e Marinho, junto a Tarcísio Freitas e Luiz Eduardo Ramos, conseguiu incluir no Orçamento de Guerra a emenda sobre “efeitos sociais e econômicos” da pandemia, a fim de expandir gastos. Desde então, a queda de braço com Guedes sobre aumento de gastos é notória. O ministro da Economia já desautorizou o seu colega de Esplanada em diversas ocasiões, quando foi perguntado sobre a possibilidade, por exemplo, de deixar restos a pagar do Orçamento deste ano para o ano que vem, viabilizando mais investimentos públicos.

A disputa latente entre os ministros é um dos maiores foco de estresse para o mercado no atual governo. Apesar de que, como venho mostrando, Guedes vem vencendo a queda de braço sobre a política econômica, o seu desgaste com Marinho – um ministro muito influente no Congresso e com aliados importantes no Executivo – pode ser um ponto de inflexão para os pouco mais de dois anos restantes ao atual mandato. Será importante redobrar a atenção sobre a influência de ambos no governo.

Para o mercado, pouco deve se sentir enquanto o xadrez político não protagoniza uma jogada mais incisiva, seja para qual lado for. A relação tensa entre Paulo Guedes e Rogério Marinho preocupa, mas não faz preço no pregão de hoje.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Recomendado para você

Petrobras: STF decidirá sobre refinarias

Nesta quarta-feira (30) recomeça o processo de julgamento e votação dos ministros do Supremo Tribunal Federal a respeito da legalidade do processo de venda da

Risco fiscal e aumento da dívida pública

Na coluna de hoje, vou falar sobre a deterioração das contas públicas do Governo Federal, o aumento do déficit público, a consequente alta nas taxas

Fechar Menu

Fechar Painel