Piroschka van de Wouw / Reuters

Destrinchando o tal do BREXIT

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

“Agora que assinamos precisamos lê-lo”


Douglas Hurd, secretário de relações exteriores britânico sobre o Tratado de Maastricht, que criou oficialmente a União Européia, assinado em 07 de Fevereiro de 1992.

O tal do BREXIT

Em 23 de Junho de 2016, 33 milhões de britânicos, ou 52% do eleitorado adulto e capaz do Reino Unido, decidiram, por meio de referendo popular, que seu país deveria deixar a União Européia.

Os principais argumentos para abandonar o bloco de 28 países do velho continente após 40 anos de afiliação foram a manutenção da soberania das leis do país e da autonomia de políticas econômicas, sociais e imigratórias. Além disso, a futura economia de 280 milhões de libras esterlinas (cerca de 1,4 bilhão de reais) que o Reino Unido contribui atualmente e todas as semanas para a sacolinha do clube de Bruxelas.

Desde então, a manifestação democrática da vontade popular britânica, contrária a interesses do status quo europeu, foi transformada num calvário de debates, discussões e campanhas apocalípticas sobre o destino cruel e dramático que aguarda o Reino Unido quando este se emancipar da dependência e proteção da velha e cândida Europa.

O adeus

A retirada está prevista para o próximo dia 29 de Março, e estamos diante de três cenários: saída com acordo, saída sem acordo e convocação de um novo referendo, para ver se depois de tanta tortura psicológica e abuso da paciência coletiva os britânicos finalmente se convenceram de que o que é bom para a Europa deve ser bom para o Reino Unido.

Saída com acordo:

O calhamaço de 585 páginas, que subtrairá boas horas de pub dos membros dos Parlamento Britânico que se interessarem a estudá-lo, contém, entre outros termos do divórcio, uma indenização de 39 bilhões de libras esterlinas (cerca de 200 bilhões de reais) que os cidadãos britânicos devem pagar à União Européia pelo atrevimento e insolência. Multa paga, o bloco promete aliviar as sanções econômicas e manter alguns privilégios comerciais ao país adotivo da princesa Meghan Markle.

Saída sem acordo:

Revogam-se todos os privilégios e tratados, passando a valer as regras da OMC, Organização Mundial do Comércio, para as relações comerciais e políticas entre a ilha e o bloco europeu, além de outras conseqüências ultrajantes como a reintrodução de fiscalização nas fronteiras, exigência de carteira de motorista especial para britânicos, que ainda pagarão mais caro pelo roaming de celular se quiserem usar o Whatsapp quando forem dar um rolê pela Europa.

Terceira hipótese: convocação de um novo referendo, desconsiderando a vontade popular. Preferimos não ponderar sobre essa hipótese nesse momento, devido à gravidade com que o cenário afetaria as instituções democráticas no mundo ocidental.

Os impactos do BREXIT

Noves fora a opinião dos especialistas da grande mídia, acreditamos que a campanha apocalíptica contra o BREXIT foi extremamente forçosa e exagerada, e entendemos que no médio prazo a emancipação será benéfica para o Reino Unido.

As sanções comerciais doerão menos do que as ameaças, pois a União Européia depende muito mais do mercado britânico como consumidor de seus produtos do que o contrário. O país de David Beckham é o maior importador de automóveis alemães, por exemplo, e a Alemanha, cartola do clube dos 28, muito improvavelmente deixará sua indústria automotiva, seu mais valioso troféu, perder o brilho por retaliação ideológica.

Assim, e na hipótese de uma saída sem acordo, estaremos em alerta para oportunidades de  entrar comprado no FTSE 100, o índice das 100 maiores empresas do Reino Unido, para uma eventual posição comprada em Libra Esterlina contra o Euro no mercado de câmbio, e para comprar opções put, antevendo a queda no preço das ações de empresas alemãs como BMW e Daimler.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recomendado para você

A Levante traz as melhores ideias de investimento

Arriscar ou ser conservador?

Por Denis Matheus, auditor sênior Está em dúvida entre comprar uma bicicleta ou casar? Este questionamento no mundo dos investimentos é muito mais comum do

Detox financeiro

Os últimos textos da newsletter tiveram um claro enfoque no governo Bolsonaro e, principalmente, na reforma da Previdência. Na semana passada, fiz uma análise (na maior sobriedade

Fechar Menu

Fechar Painel