Política sem Aspas

Só o crescimento importa?

Nesses últimos dias, os números da mais recente pesquisa Datafolha sobre modelos de governo – tais como a democracia – foram divulgados. Nos dias 5 e 6 de dezembro, o instituto entrevistou 2.948 indivíduos em 176 municípios ao redor do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança de 95%.

Confie você ou não no Datafolha, os resultados são estatisticamente relevantes e servirão de base aqui para uma análise mais aprofundada. Na última pesquisa realizada, de 2019, a porcentagem de entrevistados que acredita que a democracia é sempre a melhor forma de governo caiu de 69 para 62%. Esta queda explica-se pelo aumento das respostas que afirmam indiferença quanto à forma de governo – se vivemos em uma democracia ou em uma ditadura –, que passou de 13 para 22%. Já a porcentagem daqueles que preferem uma ditadura em certas circunstâncias ficou estável – 12%.

Vale ressaltar que as respostas pouco variam quando analisadas nos diferentes diagnósticos que os entrevistados fizeram do governo Bolsonaro. Ou seja, não importa se o entrevistado avalia bem ou mal o governo do atual presidente quando estamos falando sobre democracia. Por outro lado, existem dois recortes relevantes a serem observados: escolaridade e renda.

Dos entrevistados com nível superior de escolaridade, 85% por cento afirmam que a democracia é sempre a melhor forma de governo. Na outra ponta, entre aqueles que têm somente o ensino fundamental, esse número cai para 48%. Quando o recorte é de renda, 81% dos que possuem renda familiar mensal de mais de dez salários mínimos preferem a democracia. Por outro lado, esse índice cai para 53% entre aqueles que ganham até dois salários mínimos.

Portanto, é interessante notar que quase 9 em cada 10 brasileiros com nível superior dão o devido valor ao regime mais adotado no mundo inteiro – em que a liberdade e a individualidade, entre outros valores, são essenciais –: a democracia. O que pode explicar o resultado é, fundamentalmente, a educação e senso crítico mais apurado: quanto maior a escolaridade, maior a capacidade do cidadão de construir opiniões próprias a partir de seu conhecimento.

É difícil, logo, estabelecer que o governo Bolsonaro foi o motivo exclusivo da queda geral pelo apreço à democracia nesse último ano. Essa parece uma narrativa reducionista. A compreensão de conceitos como cidadania e democracia, apesar de poderem ser mais ou menos prezados por presidentes, requer a consolidação de conceitos e noções educacionais básicas – cenário que, infelizmente, ainda não é ampla realidade no Brasil.

Confira o artigo completo no site do Sem Aspas.

Leia também: Reforma administrativa não é prioridade para 2020.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política Sem Aspas

As vantagens competitivas de Brasília

Nesses quase três anos de Levante, pude absorver muitos novos conteúdos relacionados ao mercado financeiro e trocar muito conhecimento relevante com outros membros da equipe.

Read More »
E eu com isso

STF decide reeleição

Como esperado, já se iniciou o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) para definir se os presidentes da Câmara e do Senado podem concorrer à

Read More »
eletrobras
E eu com isso

Privatização da Eletrobras

Uma das medidas mais urgentes para conter o avanço da dívida pública nos próximos anos é a venda de ativos e privatizações por parte do

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel