Política sem Aspas

O presidencialismo de coalizão no governo Bolsonaro [Parte 2]

A relação entre Planalto e Congresso Nacional

Na coluna de hoje, darei continuidade ao tema que já foi abordado na semana passada – venho falando sobre as mudanças no presidencialismo de coalizão no primeiro ano de governo Bolsonaro.

Se a abordagem do último artigo foi focada somente no comportamento dos partidos dentro do Congresso e dos respectivos votos de seus deputados em matérias cuja decisão foi nominal, hoje o escopo será mais amplo. Pretendo, desta vez, realizar um balanço desse primeiro ano de governo sob a óptica da relação entre Executivo e Legislativo.

Como já abordei algumas vezes em outras ocasiões, o sistema político brasileiro pode ser definido como presidencialista e multipartidário. Essas duas características motivaram o governo a funcionar no Congresso por meio de coalizões – já que o Executivo, em função da grande quantidade de legendas, nunca conseguia a maioria legislativa somente com seu partido. Daí o famoso nome: presidencialismo de coalizão.

Desde 1988, o presidencialismo de coalizão representa as “regras do jogo” político, ou seja, é por meio deste sistema que governos propõem políticas públicas e as aprovam junto ao Congresso Nacional. Contra algumas previsões e análises da Ciência Política, o presidencialismo de coalizão rendeu bons frutos durantes esses 32 anos de democracia. Apesar de muito aquém do ideal, é inegável que estamos, como país, melhores do que há 30 anos atrás.


Confira o artigo completo no site do Sem Aspas


 

Leia também: O presidencialismo de coalizão no governo Bolsonaro [Parte 1] 

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Recomendado para você

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.