Política sem Aspas

O câmbio, a Disney, a comunicação e Guedes

Esses dias, estava assistindo a uma entrevista com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). Apesar de ser jovem – o tucano tem apenas 34 anos –, ele se mostrou um político com ideias promissoras.

Chamou-me a atenção, especificamente, um ponto de vista colocado pelo governador quando este traçava comentários acerca dos tributos sobre o combustível e da faísca entre o Planalto e os governadores. Segundo ele: “Comunicação não é o que você fala, mas o que o outro entende.”

A frase é simples, mas existe uma abissal diferença entre os termos e, mais ainda, uma profunda interpretação por detrás de uma construção tão sucinta. Veja: comunicar-se é, claro, falar algo. No entanto, uma boa comunicação está, fundamentalmente, nos receptores da mensagem. O orador, neste caso o sujeito da ação, é secundário – por mais contraditório que isso pareça. Comunicar-se brilhantemente envolve transmitir exatamente a mensagem que levou o sujeito a construir aquele raciocínio.

Por isso, uma boa comunicação alinha, inevitavelmente, o entendimento de outrem com o que o orador falou. Uma má comunicação, por outro lado, acarreta interpretações diferentes sobre o que foi dito. Basicamente, o sujeito disse (ou, como falamos, quis dizer) X, mas os receptores da mensagem entenderam Y.  Na política, a arte do diálogo, esse efeito é multiplicado – para o bem e para o mal.

Assim sendo, é fato incontestável que figuras relevantes do Governo Federal têm se comunicado mal. Recentemente, o protagonista do besteirol tem sido o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Guedes conseguiu cair nas graças dos críticos não uma, mas duas vezes em decorrência de duas frases descuidadas ditas pelo ministro. O manual das boas práticas de comunicação com certeza não saiu da estante. E não adianta argumentar sobre possíveis más interpretações do que ele quis dizer nem que suas frases foram condenadas fora de contexto. De novo, não interessa o que você fala, mas sim o que o outro escuta.

Na primeira ocasião, o ministro da Economia comparou servidores públicos a parasitas. Segundo ele: “O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo, o hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático, não dá mais.”

De fato, não há nenhuma condição financeira para que o funcionalismo público se sustente. É aquela situação: o ministro não está errado, mas perde toda a efetividade da mensagem ao esbarrar em uma comparação chula. Após alguns dias, Guedes procurou a imprensa para pedir desculpas pela analogia, mas os efeitos já tinham sido sentidos. Diversas manifestações vieram da classe política, de grupos organizados do setor público e até de aliados do governo, que não gostaram do tom da mensagem.

Nesse contexto, pesou a declaração para o governo recuar sobre a reforma administrativa. Foi constatado que não havia clima político nenhum para enviar a proposta após a fala de Guedes. Nesse meio, palavras custam caro…

Poucos dias depois, o ministro foi comentar sobre o dólar alto e afirmou que havia “uma festa danada” com o dólar baixo, em que até “empregada doméstica” ia à Disneylândia. Outro deslize – daqueles que não passariam despercebidos.

Do ponto de vista econômico, o pior é a mudança de discurso do ministro. Em meados de 2018, vale lembrar que um dos argumentos para não votar nos adversários de Bolsonaro era de que o dólar iria atingir suas máximas. Hoje, o discurso aponta para uma normalidade do dólar nesse patamar. Realmente, o dólar a R$ 4,30 não é um problema. Ademais, interferências no câmbio devem ser o último recurso. O discurso mudou, mas ficou estranho.

Segundo Guedes: “Um câmbio um pouquinho mais alto […] é bom para todo mundo. Mais exportação, mais substituição de importações, inclusive em turismo.” É só olhar para os anos 80 para constatar que a substituição de importações é uma alternativa fadada ao fracasso. Mas deixemos a economia de lado.

Ainda que o dólar esteja acima de quatro reais e que essa seja a nova realidade da moeda brasileira, fica difícil pensar em um exemplo pior para comunicar esse fato do que o usado pelo ministro. Tudo bem, todo mundo estava viajando para os EUA. Mas por qual motivo enfatizar a empregada doméstica? Há algo diferente nessa classe de trabalhadores(as)?

O economista deu um prato cheio para a oposição voltar a afirmar que ricos, liberais, banqueiros etc. odeiam pobres. Por descuido, reforçou uma narrativa que não tem nenhum embasamento teórico ou mesmo empírico.

Agora, o governo tem que aguentar todo o criticismo. Não há análises, comentários ou tweets suficientes para justificar as duas recentes pisadas na bola. O ministro da Economia tentou falar de economia, mas o público se atentou às infelizes analogias. Se arrependimento matasse…

Um grande abraço,

Felipe Berenguer
felipe.berenguer@levante.com.br.


Leia também: Investidores têm respiro –06/08

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel