Suamy Beydoun/Estadão Conteúdo

Muita calma nessa hora

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na coluna desta semana, quero abordar uma discussão que permeou o mercado local e deixou alguns investidores bastante apreensivos. A notícia é, novamente, sobre a tão esperada reforma da Previdência.

O Ibovespa sangrou na última quarta-feira e caiu pouco menos de 4% – maior queda do índice desde a greve dos caminhoneiros no mês de maio de 2018. O motivo? Tanto o governo quanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmaram que não pretendem utilizar a PEC 287/16 para agilizar o trâmite da reforma previdenciária.

A discussão gira em torno da possibilidade de agilizar o processo legislativo da reforma (urgente ao nosso país) por meio da proposta feita no governo Temer. O intuito seria apensar as novas ideias de Paulo Guedes e sua equipe à emenda constitucional, que já passou pela Comissão de Constituição e Justiça e por uma comissão especial.

Assim, economizaríamos tempo precioso para aprovar a medida. No mundo político, acontece que nada é tão binário – e o mercado precisa compreender tal verdade.

Fator Maia

Raciocine comigo: Rodrigo Maia esteve à frente da Câmara dos Deputados durante os dois últimos anos e fez um excelente trabalho ao levar as pautas do governo Temer adiante. O mesmo deputado ponderou e concluiu que não existem condições materiais para correr com a reforma. Seria colocar o carro na frente dos bois.

Antes de tudo, sabemos que esse anexo à PEC já existente é uma ousada manobra política. Abriria, eventualmente, margem para a judicialização do tema no STF – o que atrasaria a tramitação, sem sombra de dúvidas.

Para além da questão processual, está claro que o governo ainda não tem os 308 deputados necessários para aprovar o projeto. De que adiantaria toda a pressa se no fim do dia a proposta fosse reprovada em Plenário? Existe um risco muito alto aí.

Nessa sinuca de bico, a única opção restante é encaminhar nova Proposta de Emenda à Constituição, fazê-la tramitar nas comissões e depois votar em Plenário. No fim das contas, esse caminho não é de todo mal. Será importante dar espaço de discussão para os deputados, enquanto se costuram os apoios necessários para o sucesso da PEC.

Vale destacar o comprometimento do presidente da Câmara com a reforma. Isso pode ser determinante. Maia se depara com a oportunidade da sua vida política: se tudo correr bem, a reforma também será dele.

Em resumo, por enquanto não existe nenhum risco palpável à reforma da Previdência. Inclusive, estamos provavelmente falando de 2 meses de tramitação a mais. O governo já sabe que a resolução deve demorar um pouco mais e por isso vai endurecer a reforma. Um bom tradeoff.

Para o mercado, é segurar firme, esperar volatilidade nos próximos meses e confiar em Maia e turma. Muita calma nessa hora.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recomendado para você

Mini Guia de Imposto de Renda

Investir é uma tarefa cada vez mais simples, principalmente por conta da facilidade do uso da internet. Mas é preciso fazer um alerta: a Receita

Superministros e Seus Poderes

Como dizem por aí, nem todo herói usa capa. O ditado popular, nas entrelinhas, quer dizer que existem “heróis” em toda parte. São pessoas comuns,

Ações Small Caps: o lado B da Bolsa

Eu gosto muito de ouvir música, contar histórias e de analisar ações de empresas na bolsa de valores. Na coluna de hoje pretendo usar um

Fechar Menu

Fechar Painel