domingo

Fed mais que cheira bem

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Hoje eu vou falar sobre os Estados Unidos: economia, decisões do banco central (FED) em relação às taxas de juros e o comportamento das bolsas de valores. Eu posso dizer que os ventos que sopram dos EUA estão bem favoráveis para os países emergentes como o Brasil.

Muitos leitores perguntaram sobre o desempenho da economia dos EUA, dos principais índices de ações americanas (S&P500) e do impacto sobre a bolsa de valores brasileira.

Desaceleração da economia é uma coisa, recessão é outra

O produto interno bruto (PIB) dos EUA apresentou crescimento anual de 2,6% no quarto trimestre de 2018, comparado ao crescimento anual de 3% nos nove primeiros meses de 2018.

A expectativa dos economistas, segundo uma pesquisa do “Wall Street Journal”, é de um crescimento anual do PIB americano de 1,8% no primeiro trimestre e de 2,5% no segundo trimestre de 2019. Assim, o crescimento médio do PIB dos EUA deverá ficar em 2,3% em nove meses à frente (de outubro de 2018 a junho de 2019).

Portanto, o crescimento da economia americana desacelerou do ritmo de 3% ao ano para 2,3% ao ano. O ritmo da desaceleração da economia americana é muito importante para o cenário mundial e o fluxo de recursos de investidores para mercados emergentes.

Com o aumento das tensões com a guerra comercial entre EUA e China e menor crescimento da economia mundial, além da paralisação do governo do EUA, acredito que o PIB americano deverá terminar 2019 com crescimento por volta de 2% ao ano.

Uma redução no ritmo de crescimento é muito diferente de uma recessão, ou seja, de uma queda no PIB. Além do mais, a base de comparação de 2018 ficou mais alta, devido aos estímulos fiscais que o presidente Trump deu à economia, com corte de impostos.

Dez anos de crescimento da economia americana

A economia americana tem apresentado crescimento do PIB nos últimos 10 anos, suportado pelo consumo, baixa taxa de desemprego, crescimento constante, apesar de modesto, dos salários e ganhos de produtividade dos trabalhadores americanos.

FED: “as chances de altas nos juros são menores”

Na última quarta-feira (30/jan) aconteceu a primeira reunião do banco central americano em 2019. Conforme o esperado, o FED manteve as taxas de juros inalteradas no intervalo de 2,25% a 2,5% ao ano. A surpresa veio no comunicado do FED que tirou as referências às (duas) altas graduais de juros esperadas em 2019.

O discurso de Jerome Powell, presidente do banco central americano, acalmou os mercados ao afirmar que as chances de altas nas taxas de juros americanas são menores.

A inflação americana está sob controle e abaixo da meta, mesmo com o crescimento dos salários e a falta de mão de obra qualificada.

O mercado futuro de juros nos EUA precifica uma probabilidade de apenas 7% para novas altas nas taxas, enquanto que a probabilidade de queda nas taxas subiu para 12%, fortes indícios de que o aperto monetário chegou ao fim com a flexibilidade da política monetária do FED.

A taxa de juros futura dos EUA (“Treasuries”) de 10 anos está sendo negociada a 2,7% ao ano. O fim do aperto monetário nos EUA (sem aumento das taxas de juros) é música para os ouvidos para os mercados emergentes, que devem se beneficiar do fluxo de investidores estrangeiros.

O ciclo de alta da bolsa americana chegou ao fim?

As bolsas de valores dos Estados Unidos entraram em terreno negativo (“ursos”) em dezembro de 2018, com queda de 9,2% no S&P500 e desvalorização de 9,5% no Nasdaq. No acumulado de 2018 as bolsas americanas tiveram desempenho negativo de 7% e 4,6%, respectivamente para o S&P500 e o Nasdaq.

Os índices de ações americanas estavam em trajetória de alta nos últimos 10 anos, desde 2009 após a crise financeira do sub-prime (quebra do Lehman Brothers). O índice S&P500 acumulou alta de 175,2% no período, um retorno médio anual (CAGR) de 10,7%.

Em janeiro de 2019, as bolsas americanas se recuperaram: alta de 7,9% no S&P500 e valorização de 9,7% no Nasdaq, praticamente revertendo as perdas ocorridas em dezembro de 2018.

Conclusão

Acredito que a economia dos EUA vai desacelerar o ritmo de crescimento, mas vai continuar crescendo por volta de 2% ao ano, o que vai dar impulso para as bolsas americanas. Portanto, continuo otimista com o desempenho das bolsas americanas em 2019.

Eu continuarei acompanhando de perto o ritmo de desaceleração da economia americana e o discurso do FED. “So far, so good” (até agora tudo bem!).

Não acredito que exista uma bolha na bolsa de valores do EUA. Em tempo: o resultado do Facebook foi divulgado esta semana. A empresa está sendo muito criticada pelo mercado, mas surpreendeu os analistas e bateu as expectativas em termos de resultado.

Você tem exposição à bolsa dos EUA? As ações americanas têm participação de 4,8% na Carteira Levante. A Carteira Levante acumula rendimento equivalente a 281,83% do CDI desde a sua criação em 1º de agosto de 2018. Se você quer saber mais sobre como montar uma carteira de investimentos completa, ajustar as devidas proporções dos ativos, conheça a série Carteira Levante.

Minha missão é te ajudar a entender mais sobre investimentos em ações, através do Value Investing e da análise fundamentalista de empresas. Por isso, continue acompanhando a minha coluna e não esqueça: se você ficou com alguma dúvida, é só mandar um e-mail para o endereço eduardo.guimaraes@levante.com.br.

Conte comigo e bons lucros em 2019!

Um grande abraço,
Eduardo Guimarães

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recomendado para você

Mini Guia de Imposto de Renda

Investir é uma tarefa cada vez mais simples, principalmente por conta da facilidade do uso da internet. Mas é preciso fazer um alerta: a Receita

Superministros e Seus Poderes

Como dizem por aí, nem todo herói usa capa. O ditado popular, nas entrelinhas, quer dizer que existem “heróis” em toda parte. São pessoas comuns,

Ações Small Caps: o lado B da Bolsa

Eu gosto muito de ouvir música, contar histórias e de analisar ações de empresas na bolsa de valores. Na coluna de hoje pretendo usar um

Fechar Menu

Fechar Painel