Santos Brasil - Tecon Santos

Santos Brasil: “Estamos grandes, queremos mais”

Maior operadora de terminais portuários e de logística integrada do Brasil, a Santos Brasil surgiu em 1997, com o objetivo de operar o Tecon Santos – maior e mais eficiente terminal de contêineres da América do Sul, localizado na margem esquerda do Porto de Santos. Desde então, a Santos Brasil continuou crescendo, e reportou resultados financeiros muito fortes em 2021, resultando na distribuição de um montante milionário aos acionistas.

Atualmente, a empresa atua em dez terminais portuários, oferecendo serviços de logística para contêineres – que hoje são o carro chefe da companhia – e granéis líquidos. Além disso, possui terminal de carga geral e de veículos.

Em constante crescimento há 25 anos, a companhia está longe de se considerar satisfeita com seu tamanho atual. Para seguir crescendo, a Santos Brasil aposta em dois pilares: expansão e investimentos, que serão administrados com disciplina. Em entrevista a Levante, Daniel Dorea, CFO da companhia, afirma que a empresa está em mais uma fase ascendente.

A Santos Brasil agrega clientes diversos, dentre os quais destacam-se grandes empresas como a MSC, Bayer, Embraer e a Mercedes. Oferecendo um mix completo de logística e operação de contêiner, consegue atuar em todas as fases da importação e exportação de produtos. Em 2022, ocorrerá o início da operação de dois terminais de líquidos no Porto de Itaqui (MA), que foram arrematados em 2021. A inauguração será antecipada em três anos. Segundo Dorea, o movimento concretiza a entrada da empresa na movimentação e armazenagem de líquidos, notadamente combustível.

Outro grande acontecimento é a segunda fase do projeto de expansão e modernização do Tecon Santos, já em curso e com previsão de investimento de R$ 250 milhões só em 2022. No total, a segunda fase terá investimento de R$ 500 milhões. Para base de comparação, os investimentos totais da empresa em 2021 somaram R$ 239,8 milhões.

Em novembro de 2021, a Santos Brasil inaugurou a primeira fase do projeto, que ampliou a capacidade do terminal para 2,4 milhões de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) anualmente. A próxima etapa de investimentos, entre 2022 e 2023, aumentará a capacidade do terminal para 2,6 milhões TEUs.

No ano passado, a Santos Brasil lucrou R$ 271,7 milhões, revertendo prejuízo líquido de R$ 13,8 milhões reportado em 2020. A receita líquida da companhia cresceu 65%, somando R$ 1,5 bilhão. O Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou, no ano de 2021, R$ 564,0 milhões, crescimento de 166,2% sobre 2020, com margem de 36,8%. É importante reconhecer que 2020 foi um ano atípico, marcado por desafios relacionados principalmente à pandemia de Covid 19, que diminuiu o consumo e o volume de importações e exportações no Brasil. Em síntese, a base de comparação foi fraca.

Após um ano marcado pela recuperação da companhia, o CFO afirma que 2022 deve ser um ano ainda melhor. Segundo Dorea, os custos tendem a crescer pela pressão inflacionária que o País está passando, mas a companhia ainda deve expandir suas margens e ter resultados mais fortes do que no último ano.

“Em 2021, a companhia renegociou os grandes contratos dela. Esses contratos foram reprecificados. Então, você tem essas três forças: Mix de carga, volume e preço. Para 2022 isso se mantém, então você deve ter um crescimento de volume na margem. Não vai ser um crescimento tão grande porque a base comparativa de 2021 contra 2020 foi muito forte“, explicou o executivo.

Dorea ainda afirmou que esse bom mix de carga e preços que foram renegociados ao longo de 2021, serão incorporados ao resultado da companhia desde 1° de janeiro de 2022. No ano passado, a companhia distribuiu R$ 258 milhões em dividendos e JCP (juros sobre capital próprio).

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.