Johnson & Johnson JNJ JNJB34 - Levante

Vacina da Johnson & Johnson

A Johnson & Johnson (JNJ) solicitou nesta quinta-feira (04) à Food and Drug Administration (FDA), órgão americano que se assemelha à Anvisa no Brasil, autorização para uso emergencial da sua vacina contra a Covid-19.

A autorização é o passo seguinte à fase dos testes clínicos finais, cujos resultados foram divulgados na última semana. No caso da Johnson, a sua vacina demonstrou uma eficácia protetiva de 66 por cento contra casos moderados da doença. Nos Estados Unidos, a eficácia foi um pouco maior (72 por cento), enquanto na América Latina e na África do Sul, a eficácia foi de 66 por cento e 57 por cento, respectivamente.

Uma vez aprovada, a vacina viria para complementar o menu disponível no mundo para a luta contra a doença. Nos Estados Unidos, apenas as vacinas da Pfizer e da Moderna estão sendo utilizadas para imunizar a população, enquanto no resto do mundo há outros imunizantes sendo aprovados ou já sendo utilizados pelos governos.

A FDA já se manifestou e disse que irá analisar o pedido “o mais rápido possível”. A expectativa é que a aprovação deva ocorrer no fim de fevereiro. A Johnson diz estar preparada para iniciar as produções, e espera produzir cerca de 1 bilhão de doses em 2021.

E Eu Com Isso?

A notícia é positiva para o contexto humanitário global, o que, como consequência, pode trazer um impacto positivo para os mercados de risco, pois é mais um instrumento disponível na luta contra o inimigo invisível.

O Estados Unidos é o primeiro a se beneficiar, visto que o governo americano tem um acordo de 100 milhões de doses com a companhia, que devem ser disponibilizadas ainda no primeiro semestre deste ano.

Para a Johnson & Johnson (JNJ), esperamos um desempenho um pouco acima do mercado no curto prazo. Importante lembrar que na sessão seguinte à divulgação dos testes clínicos, as ações JNJ recuaram 3,5 por cento devido à eficácia observada na vacina vir “abaixo do esperado pelo mercado”.

Lembramos que a vacina utiliza uma tecnologia diferente das demais, e a sua principal vantagem é a imunização com apenas uma dose, e armazenagem em temperaturas de uma geladeira comum.

Em termos de resultado corporativo, a vacina contra a Covid poderia incrementar alguns bilhões de dólares às receitas da Johnson em 2021 que deve apresentar um número próximo aos 90 bilhões de dólares no ano. Contudo, o projeto da companhia envolto à esta doença específica não tem fins lucrativos (ao menos durante a pandemia), logo as margens operacionais da vacina deverão ser bastante reduzidas.

Em outras palavras, o benefício financeiro à companhia é secundário e talvez irrisório em um primeiro momento. A questão da vacina contra a Covid 19 é uma questão de vida ou morte para as pessoas, mas nem tanto para os números Johnson.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: Números da Alphabet.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Qual Terceira Via? | Política sem Aspas

Expressão largamente utilizada nos noticiários e na política brasileira, especialmente nesta última década, a “Terceira Via” foi consagrada a partir de teoria elaborada por um

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.