Câmara dos deputados em perspectiva

Reforma ministerial à vista

Com o apoio do Republicanos à candidatura de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara, crescem cada vez mais as chances de haver uma reforma ministerial em fevereiro do ano que vem, após o resultado das eleições legislativas, para acomodar os interesses da base aliada do governo.

Com isso, o diagnóstico nos corredores de Brasília é que a disputa entre grupos políticos ligados ao presidente – Centrão, ala militar e ala ideológica – deve se acirrar daqui para a frente. Segundo fontes ligadas ao Planalto, o aceno do presidente do Republicanos, Marcos Pereira (SP), praticamente lhe conferiu um ministério. Ainda estaria em aberto, contudo, seu destino na Esplanada dos Ministérios – atualmente, cogita-se recriar o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), mas Pereira também poderia assumir a Secretaria de Governo e comandar, assim, a articulação política entre Executivo e Congresso.

A ala ideológica e o Centrão pressionam Bolsonaro para destituir o general Ramos do comando da articulação política. O motivo seria os fracos resultados entregues em votações no Congresso diante de concessões feitas pelo governo. Outras ideias de mudanças, como a recriação do ministério do Planejamento, trocas no ministério da Cidadania e no ministério do Turismo, também vêm sendo estudadas, mas ainda se encontram muito incipientes.

Tanto as mudanças na Esplanada quanto outras grandes decisões, caso da avaliação do governo federal sobre um novo programa social ou mesmo a retomada do auxílio emergencial, dependerão do desfecho nas eleições legislativas marcadas para o início de fevereiro do ano que vem. Até lá, tudo fica em suspenso.

E Eu Com Isso?

Independentemente da dança das cadeiras a ser promovida no início do ano que vem, uma coisa parece certa: ela ocorrerá. Naturalmente, o custo de manter uma coalizão – ainda mais em um Congresso bastante fragmentado – tende a aumentar durante a segunda metade de um mandato presidencial.

Contribui para isso também o fato de que a eleição pela Mesa Diretora da Câmara deverá ser acirrada, tornando muito valioso cada apoio partidário. Nesse contexto, espera-se que o Executivo vá entregar para o Centrão cargos do primeiro escalão da administração pública federal, após resistir na entrega destes até onde pôde.

Nesse momento, interessa mais ao mercado os desdobramentos envolvendo quem vai ser o próximo presidente da Câmara e do Senado do que eventuais custos que essa corrida eleitoral pode trazer. No entanto, uma vez confirmada a recriação de ministérios, deve haver algum impacto negativo nos ativos.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Lançamento da plataforma Levante Advice, por Grupo Levante.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Qual Terceira Via? | Política sem Aspas

Expressão largamente utilizada nos noticiários e na política brasileira, especialmente nesta última década, a “Terceira Via” foi consagrada a partir de teoria elaborada por um

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.