banco do brasil

Privatização do BB na mesa

Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil (BBAS3), voltou a defender a privatização do banco em uma audiência pública de comissão mista do Congresso na segunda-feira (8). A proposta de Novaes é vender no mercado mais uma parte das ações que hoje pertencem ao governo.

De acordo com o presidente, esse modelo de privatização não significa que a venda será feita para outro grande banco ou para estrangeiros, mas sim através da pulverização do controle transformando-o naquilo que ele chamou de uma “Corporation”.

A sua principal preocupação é a instituição não conseguir acompanhar a velocidade das mudanças em curso no mercado bancário, com maior concorrência no setor devido ao surgimento das fintechs, o open banking (sistema de compartilhamento de dados dos clientes) e as novas plataformas e formas de pagamento instantâneo.

Ademais, ele também citou as dificuldades enfrentadas pelo RH, impossibilitado de premiar e reter os talentos e de demitir funcionários que não estão cumprindo bem seu papel. Ele citou a perda de 50 executivos em 2019 para a iniciativa privada devido a esta limitação.

A notícia é positiva para os acionistas do Banco do Brasil (BBAS3), pois demonstra a preocupação do seu presidente em tornar o banco mais ágil, eficiente e preparado para enfrentar as transformações que vêm ocorrendo no setor de bancos.

Aos poucos, “as peças” do governo vão testando a comunicação do tema junto à população, uma forma de tentar amenizar o componente ideológico desse ponto e explicar os benefícios que uma privatização poderia trazer. Contudo, acreditamos que o tema deve enfrentar bastante resistência no Congresso e outras organizações da sociedade e vemos como improvável a sua realização até 2022.

Atualmente o governo federal detém 50 por cento das ações BBAS3 e diversas decisões devem ser submetidas aos seus órgãos de controle, o que encarece e torna o processo decisório mais lento e burocrático.

Na nossa avaliação, o investimento tecnológico não será apenas um diferencial competitivo no futuro, mas sim algo vital para a sobrevivência de qualquer companhia inserida num mercado competitivo.

Os principais catalisadores das ações do BB são: nível de rentabilidade (ROE), intensidade da queda do lucro líquido em 2020 e diminuição da distribuição de dividendos em 2020 (apenas 25 por cento do lucro líquido).

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Privatização do Banco do Brasil

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Artigos

Resultados do 2T20 da CVC

A CVC (CVCB3) apresentou nesta segunda-feira (20), após o fechamento do mercado e com atraso, seus resultados do segundo trimestre de 2020. Como era de

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel