minerio de ferro - Levante Investimentos

Preço do minério em queda

Após atingir o preço máximo acima dos 100 dólares por tonelada no porto de Qingdao no início de junho, o minério de ferro deve passar por um período de ajustes no segundo semestre.

O principal motivo para esta redução é a normalização da oferta mundial da commodity. A Vale, por exemplo, sofreu no primeiro trimestre deste ano em função das fortes chuvas no período, além de outros problemas operacionais.

No curto prazo joga a favor da cotação o receio de novas interrupções na produção da companhia, como ocorreu recentemente nas minas de Itabira (MG) devido à pandemia da Covid-19. Contudo, à medida em que este risco se dissipe, a expectativa é de que haja um arrefecimento dos preços para um patamar entre 80 e 90 dólares por tonelada no médio prazo, uma queda de ao menos 10 por cento na comparação com a cotação atual.

No lado da demanda quem faz preço é a China, pois ela responde por cerca de 70 por cento das importações a nível mundial. Após os estímulos econômicos realizados pelo governo chinês nos primeiros meses de 2020 para tentar cumprir a meta de crescimento anual, a demanda e o preço do minério não foram atingidos de forma tão severa como outras commodities.

A notícia é negativa para as ações da Vale (VALE3) no médio prazo, visto que os seus resultados são muito sensíveis ao preço da commodity. Na sessão de hoje esperamos impacto negativo devido à queda nos contratos futuros de minério de ferro transacionados nas bolsas chinesas, que fecharam em queda de 2 por cento nesta quarta-feira.

Embora o minério possa jogar contra no segundo semestre, é válido ressaltar que ele não é o único fator a fazer preço nas ações da companhia. Além da cotação da matéria-prima, há o componente cambial, o volume de produção e até mesmo a possível expansão dos múltiplos negociados no momento, que seguem abaixo da sua média histórica e com desconto relevante na comparação com seus pares globais.

Ademais, o mercado segue atento ao nível de geração de caixa livre que a Vale pode entregar neste ano, o que pode marcar a volta do pagamento de dividendos aos seus acionistas, suspensos desde a tragédia de Brumadinho.

No primeiro trimestre deste ano a Vale desembolsou 5 bilhões de dólares do seu crédito rotativo, com 2 bilhões de dólares a vencer em junho de 2022 e 3 bilhões de dólares a vencer em dezembro de 2024 para fazer frente à pandemia da Covid-19. 

A companhia segue com 4,8 bilhões de dólares de endividamento líquido e uma relação dívida líquida sobre Ebitda 12 meses de apenas 0,3 vezes.

Para a Vale voltar a distribuir dividendos é preciso pelo menos repagar os 5 bilhões de dólares de financiamentos contraídos durante a crise e encerrar as questões de Brumadinho. A geração de caixa da companhia foi fortemente afetada no primeiro trimestre de 2020: 380 milhões de dólares. A geração de caixa é um dos principais catalisadores positivos da Vale.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Construção civil mantém demanda por aço longo (GGBR4/GOAU4, CSNA3, USIM5)

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Qual Terceira Via? | Política sem Aspas

Expressão largamente utilizada nos noticiários e na política brasileira, especialmente nesta última década, a “Terceira Via” foi consagrada a partir de teoria elaborada por um

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.