Levante Ideias - Compartilhamento de dados

Open insurance começa em dezembro

Nesta quarta-feira (21), a Susep (Superintendência de Seguros Privados) divulgou as normas do projeto de open insurance: sistema de compartilhamento de dados do setor de seguros, que será composto por três fases, sendo a primeira delas, iniciada no dia 15 de dezembro de 2021.

De acordo com a Susep, as normas estabelecem as condições para que o consumidor, quando desejar, acesse e compartilhe seus dados com seguradoras ou terceiros, de forma segura e conveniente.

Esses dados poderão ser usados no desenvolvimento de novos produtos que atendam às necessidades mais abrangentes dos consumidores de seguros, previdência e capitalização.

A lógica do open insurance, é parecida com a do open banking para as instituições financeiras, sendo que a junção dos projetos dos setores de seguros, bancos e investimentos formam o open finance, ou sistema financeiro aberto, cujo objetivo é entregar ao consumidor uma oferta mais ampla de produtos e serviços a preços competitivos.

A previsão, é de que, assim como o open banking, o open insurance seja implementado gradualmente, dividido em três fases.

A primeira fase terá início a partir de 15 de dezembro de 2021 em que será contemplado o compartilhamento de dados públicos de seguradoras referentes a seus produtos e canais de atendimento disponíveis.

A segunda fase deverá começar em 1º de setembro de 2022, em que os clientes poderão compartilhar dados pessoais.

Já a terceira e última fase, está prevista para começar em 1º de dezembro de 2022 e esta prevê a efetivação dos serviços através do ecossistema.

E Eu Com Isso?

Com as normas publicadas, o órgão pretende assegurar o desenvolvimento do setor, tornando possível que pessoas que não são bancarizadas tenham acesso a seguros.

Espera-se que a mudança regulatória traga uma experiência melhor para o consumidor, com mais facilidade de acesso e produtos mais adequados a cada perfil, resultando em um aumento na quantidade de pessoas seguradas no país.

As maiores beneficiadas com o projeto são as insurtechs, startups de seguros que tem crescido no Brasil e com o open insurance terão maior acesso a dados e consequentemente a mais clientes, criando a oportunidade de implementação de modelos mais tecnológicos e de modernização do mercado.

Já os grandes bancos, como Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3), que possuem forte presença no setor de seguros, deverão ser os mais prejudicados devido à sua maior dificuldade de adaptação a esse novo mercado.

Já as seguradoras, podem se ver ameaçadas por novos entrantes, porém, terão a oportunidade de acessar um mercado maior caso consigam surfar a onda das insurtechs.

A SulAmerica (SULA11) e a Porto Seguro (PSSA3), embora já invistam em insurtechs de maneira direta ou através de programas de venture capital corporativo, terão com o open insurance um acesso maior a novos clientes, podendo se utilizar ainda de sua força de marca como estratégia.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Resultado da Porto Seguro (PSSA3) do 1T21.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - NFT
E eu com isso

Os NFTs são a arte do lucro

NFT parece ser a sigla de um título público. Algo como Notas Financeiras do Tesouro. Nada disso. NFT é a abreviatura de Non-Fungible Tokens, ou

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

PEC dos precatórios

Nesta quinta-feira (16), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados votou e aprovou, por 32 votos a 26, a PEC (Proposta

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.