Levante Ideias - Ômicron

Ômicron assusta no Natal

Tradicionalmente, as últimas semanas do ano são períodos de atividade reduzida nos mercados. Há dois bons motivos para isso. O primeiro é que, com o ano praticamente encerrado, os profissionais que administram recursos preferem não arriscar.

Isso faz sentido. Se o resultado do período que está se encerrando foi positivo, não há motivo para arriscar um desempenho bom. Resumidamente, a pergunta clássica: qual o potencial de ganho (upside) e qual o potencial de perda (downside)?

Se, ao contrário, os números não foram tão animadores, um movimento errado pode piorar ainda mais a situação. É recomendável, portanto, evitar os riscos, calibrar as posições, respirar fundo e começar a desenhar uma estratégia melhor para o ano que vem.

A contrapartida dessa propensão dos mercados a reduzir suas atividades nos últimos pregões do ano é que os preços podem ficar mais voláteis. Com menor liquidez, compras e vendas menores têm mais potencial para alterar os preços. Por isso, as notícias ruins do fim de semana vêm movimentando as cotações.

O recrudescimento da variante Ômicron do coronavírus na Europa assustou os investidores. Na Holanda, as autoridades anunciaram restrições severas na noite do domingo (19), que deverão perdurar até o dia 14 de janeiro. Apenas supermercados e lojas essenciais vão funcionar. As reuniões, ainda que familiares, estão restritas a duas pessoas. No Natal e no Ano Novo, apenas, o número sobe para quatro pessoas.

Com algumas alterações, esse é o panorama da Europa. No Reino Unido, o governo ainda está hesitando em fechar tudo, apesar do aumento significativo dos casos. No entanto, países como Alemanha e França estão impondo restrições a passageiros vindos das ilhas britânicas.

Do outro lado do Atlântico, o respeitado infectologista Anthony Fauci, principal assessor médico do presidente americano Joseph Biden, disse que as contaminações pela variante Ômicron estavam “se espalhando furiosamente” por todo o mundo. Ele acrescentou que, nas próximas semanas, os hospitais americanos voltarão a enfrentar uma situação de crise. “Temos muitas pessoas neste país que deveriam ter tomado a vacina, mas não tomaram”, e elas poderão lotar os hospitais.

Com tudo isso, os mercados iniciam a semana em baixa. Na Ásia, as ações caíram 2,1% em Tóquio e 1,9% em Seul. Na Europa, o índice alemão Dax é o mais afetado, com uma queda de 1,8% no fim da manhã (horário local). E nos Estados Unidos, os contratos futuros do índice S&P 500 estão em baixa de 1,2%.

E Eu Com Isso?

A semana se inicia com os contratos futuros do Ibovespa abrindo com uma queda superior a 1%, na esteira dos resultados ruins dos pregões internacionais provocados pelo temor de recrudescimento das medidas de restrição econômica.

As notícias são negativas para a bolsa.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Como o Banco Central vê a inflação.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Inflação
E eu com isso

Defenda seu dinheiro da inflação

Na manhã desta terça-feira (18), a FGV (Fundação Getulio Vargas) divulgou o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor Semanal) da segunda quadrissemana de janeiro nas

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Paralisação de servidores

A três dias do prazo final para Bolsonaro sancionar a Lei Orçamentária Anual, aprovada no fim do ano passado pelo Congresso, servidores federais de mais

Read More »
Levante Ideias - MRV
E eu com isso

Prévia: VGV recorde da MRV no 4T21

A MRV (MRVE3) divulgou sua prévia operacional não auditada referente aos lançamentos, vendas contratadas, geração de caixa e distratos do 4T21. Os dados operacionais vieram

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.