Poder em Foco com Fernando Rodrigues em parceria editorial do Poder 360 com o SBT, entrevista ministro a médica pesquisadora Ludhmila Hajjar. Sérgio Lima/Poder360 07.Abr.2020

Mudança na Saúde

Diante da recusa do convite oficial à médica Ludhmila Hajjar, conforme antecipamos na newsletter desta segunda (15), o Planalto recorreu a outro nome da lista de médicos cotados para assumir o ministério da Saúde. Este, por sua vez, aceitou substituir o general Pazuello no comando da pasta.

Trata-se de Marcelo Queiroga, 55 anos, Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia e membro da equipe de transição de governo na área da Saúde, em meados de 2018. O presidente Bolsonaro conhece o trabalho do médico e também havia o indicado para uma posição na diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar, mas a aprovação de seu nome na Comissão de Assuntos Sociais do Senado acabou empacando durante a pandemia de Covid-19.

Queiroga será o quarto ministro da Saúde de Bolsonaro, após a saída de Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich – ambos ministros que entregaram o cargo por divergências quanto à condução da política sanitária contra o coronavírus – e de Pazuello, que sofreu pressão para deixar o cargo após nova alta de casos e atrasos no programa de vacinação do País.

Queiroga defendeu, recentemente, a necessidade de aceleração da imunização no Brasil, que é uma referência pela sua capilaridade e agilidade quando o assunto é vacina. Para o novo ministro, essa é a melhor forma de combater o vírus – outros tratamentos, como a hidroxicloroquina, inclusive, não serão recomendados pois “não há consenso na comunidade científica”.

E Eu Com Isso?

Queiroga é apadrinhado do deputado federal e figura conservadora Enéas Carneiro, morto em 2007 aos 68 anos e foi considerado um “nome de grife”, pelo Planalto, por ser respeitado na comunidade médica. Para a sua aprovação, foi necessário o aval do Centrão, que veio por meio do presidente do PP e senador, Ciro Nogueira (PI).

Apesar de não ter tanto trânsito no Legislativo e no Judiciário como a médica Ludhmila Hajjar, Queiroga já teve experiências no mundo político e deve dar início (havendo esperança de que seu trabalho não sofrerá interferências) a uma postura mais agressiva do governo federal no combate ao vírus e, principalmente, às mortes que têm aumentado substancialmente nas últimas semanas.

A substituição também faz parte da mudança de estratégia do Planalto, que acendeu o alerta vermelho com o novo recrudescimento da pandemia e seus possíveis efeitos eleitorais, à medida que o ciclo das eleições deve começar, oficialmente, já no final de 2021. Logo, o nome de Queiroga deve ser bem recebido, no geral, e pode impulsionar, ainda que de modo secundário, o pregão desta terça-feira (16).

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Troca na Saúde.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Recesso, pero no mucho…

Existe, no imaginário popular, uma ideia fixa que procura associar o recesso parlamentar à inatividade de políticos de Brasília. De fato, os corredores do Congresso

Read More »
Levante Ideias - Inflação
E eu com isso

Inflação supera expectativas

A sexta-feira começa com a divulgação do IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15) de 0,72% em julho, levemente abaixo do 0,83% de

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel