Congresso nacional EECI Levante Ideias de Investimentos

Meta fiscal de 2021

Com o auxílio emergencial já sendo uma nova realidade, com previsão para início já no mês de março, a equipe econômica tem outra dor de cabeça para resolver: a meta primária de 2021, que já é de 247,1 bilhões de reais, precisará passar por uma revisão – já que o pagamento não foi incluído neste montante e o descumprimento da meta é considerado crime de responsabilidade fiscal.

Da mesma forma, o gasto também não está, ainda, no montante de créditos suplementares que o governo federal vai pedir para o Congresso Nacional, a fim de liberar a emissão de títulos da dívida e, dessa forma, cumprir a “regra de ouro” – regra que proíbe o aumento do endividamento da União em valores superiores às despesas de capital (investimentos e amortização da dívida pública).

Nesse contexto, o ministério da Economia já se movimenta para rever a meta fiscal de 2021. É possível mudar a meta por meio da Lei Orçamentária Anual – alternativa incomum, no entanto, já que o montante é sempre definido pela Lei de Diretrizes Orçamentárias, já aprovada, e também por uma nova PEC de Guerra, assim como foi em 2020, que dispensaria o governo do cumprimento da meta de 2021. Há dúvidas, porém, se o presidente Bolsonaro precisaria editar mais um decreto de calamidade pública para reconhecer o ano como um ano atípico, por causa da pandemia.

Falando de números, o auxílio ainda não foi divulgado oficialmente e não há um consenso quanto às parcelas a serem pagas, mas a tendência é que o benefício seja estendido por quatro meses e gire em torno de 200 a 250 reais, custando entre 25 a 35 bilhões de reais para os cofres públicos.

E Eu Com Isso?

Abandonar a meta de resultado primário – que é deficitária desde 2015 no Brasil – não seria a melhor opção nesse momento, ainda que o governo entenda a delicadeza da situação fiscal do País. A equipe econômica havia estudado adotar uma meta primária flexível para o ano de 2021, mas o Tribunal de Contas da União acabou vetando essa possibilidade. Logo, as alternativas parecem escassas.

Ao cabo, 2021 será mais um ano de deterioração das finanças públicas, sendo extremamente necessário que o Executivo já aprove – mostrando ao mercado que tem agido para mudar a trajetória explosiva dos gastos públicos – medidas de ajuste fiscal no curto prazo. Caso contrário, haverá um movimento mais firme de realização.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Autonomia do Banco Central.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Qual Terceira Via? | Política sem Aspas

Expressão largamente utilizada nos noticiários e na política brasileira, especialmente nesta última década, a “Terceira Via” foi consagrada a partir de teoria elaborada por um

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.