localiza-div-localiza

Localiza – Resultado do segundo trimestre de 2020

A Localiza reportou nesta quarta-feira (29/07) após o fechamento do mercado os seus números referentes ao segundo trimestre de 2020. O resultado veio melhor que nossa expectativa, com impacto da pandemia nos números menor que o das nossas estimativas. 

O destaque positivo foi o seu Ebitda (métrica que reflete a geração de caixa operacional da empresa) de 434,8 milhões de reais no período, acima da nossa expectativa da ordem de 290 milhões de reais. O resultado contou com um ganho não recorrente de 126,3 milhões de reais. Na outra ponta a empresa também teve gastos não recorrentes devido a pandemia da ordem de 38,9 milhões de reais. Mesmo após ajustado o resultado se manteve acima da expectativa do mercado e nossos números. 

Já o destaque negativo foi o consumo de caixa antes do crescimento de 558,7 milhões de reais, devido à redução da conta de fornecedores para renovação da frota em 1.088,8 milhões de reais. Segundo a empresa , apesar da redução da frota em 14.347 carros, houve consumo de 332,1 milhões de reais para crescimento, devido ao pagamento das compras efetuadas em trimestres anteriores.

Por fim, a margem Ebitda negativa na divisão de seminovos e o aumento na depreciação marcaram negativamente os resultados do 2T20, muito embora já era esperado um resultado ruim por conta do fechamento das suas unidades principalmente em abril. 

Apesar da queda nas principais linhas do resultado na comparação anual, esperamos que as ações da Localiza (RENT3) tenham desempenho superior ao Ibovespa nesta quinta-feira (30), visto que a empresa apresentou números acima do esperado pelo mercado e um resultado bom considerando o desafiador cenário de pandemia para o setor de locação de veículos no Brasil.

No ano as ações da Localiza (RENT3) recuam 4,5 por cento. O desempenho é superior ao do Ibovespa, que tem perdas de 8,7 por cento e ao dos seus pares Unidas (LCAM3) e Movida (MOVI3), que apresentam queda de 18,3 por cento e 16,8 por cento, respectivamente.

O resultado operacional medido pelo Ebitda recorrente (desconsiderando os ganhos e despesas não recorrentes) foi de 347,4 milhões de reais no trimestre, acima das nossas expectativas e do consenso do mercado de 280 milhões, Apesar de o número representar uma queda de 45 por cento em relação ao primeiro trimestre e 31 por cento em relação ao mesmo período de 2019, achamos o número bastante positivo por vir acima do esperado.

O resultado veio melhor em função de receitas melhores que o esperado (20 por cento acima do consenso de mercado) e também devido à melhor controle de custos por parte da empresa.

A divisão de Aluguel de Carros foi a que teve o resultado mais impactado e veio um pouco pior que a nossa expectativa. Sua receita caiu -30 por cento na comparação anual (YoY, que vem do inglês “year over year”) e 46 por cento em relação ao primeiro trimestre do ano (QoQ, que vem do inglês “quarter over quarter”).

A queda é explicada por uma retração de 8 por cento na quantidade de diárias em relação ao 2T19 e queda de 31 por cento na comparação com o 1T20, além de uma queda da ordem de 23 por cento na tarifa média em relação ao trimestre e ano anterior.

A empresa conseguiu controlar de maneira exemplar os seus custos da divisão. Porém, como o aluguel de carros conta com uma vasta estrutura de lojas físicas o custo fixo ainda se manteve alto, o que levou o EBITDA ajustado da divisão a cair 56 por cento na comparação anual, enquanto a receita caiu 30 por cento. Com isso a margem EBITDA ajustada veio um pouco abaixo de nossas expectativas e atingiu 27,6 por cento.

 A divisão de gestão de frotas, por sua vez, entregou resultados expressivos, com crescimento de 15 por cento YoY da receita e 2 por cento na comparação trimestral. Já o EBITDA ajustado da operação foi o principal destaque, visto que cresceu 11 por cento QoQ e 21 por cento na comparação anual. O resultado é reflexo da resiliência da operação e também da capacidade de execução da empresa, que conseguiu entregar uma forte redução de custos no trimestre.

Já as vendas de Seminovos foram fortemente impactadas pela medidas de restrição de mobilidade e pelo fechamento temporário de todas as lojas durante a maior parte do mês de abril. No trimestre foram vendidos 19.736 carros, queda de 40,4 por cento em relação ao mesmo período do ano anterior. No Seminovos a empresa também viu recuperação dos volumes de venda mês a mês durante o trimestre.

As atenções do mercado estarão voltadas para a tendência de recuperação de seus volumes e diárias médias. Além disso, a Localiza deve apresentar um novo produto de aluguel de longo prazo em breve, o que deve impulsionar suas ações.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

 

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte I

No Comentário de nº 9 da Instituição Fiscal Independente, “Considerações sobre o teto de gastos da União”, Felipe Salto, Daniel Couri e Josué Pellegrini recortam

Read More »
E eu com isso

Redução de jornada até dezembro

O presidente Jair Bolsonaro assinou, ontem (13) a prorrogação da redução proporcional de jornada e salários e suspensão temporária do contrato de trabalho, medidas previstas

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel