growthstockssaibacomousaressaestrategiadeinvestimento

Há muitos números, nós dizemos quais importam

A manhã dos investidores começa com dois números brasileiros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o percentual de pessoas com idade para trabalhar que estão de fato ocupadas nunca foi tão baixo. Indicador pessimista. Já a Fundação Getulio Vargas (FGV) informa que a confiança no setor de serviços já superou metade da queda registrada nos primeiros meses deste ano. Indicador otimista (leia mais abaixo).

No Exterior, também há números relevantes. O índice dos gerentes de compras (PMI) da China em junho marcou 50,9, indicando economia em expansão e melhor que o esperado: as projeções indicavam 50,6. Otimista. Porém, o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) britânico no primeiro trimestre indicou uma queda de 2,2 por cento, pior que o esperado. Pessimismo. Nesse mar de números, o que é informação e o que é ruído? 

Para se guiar, a Levante apresenta uma regra simples. Há dois tipos de indicadores. Os antecedentes, que tentam indicar uma direção futura para a atividade econômica. Por exemplo, o índice de confiança do setor de serviços, divulgado pela FGV. Ele mostra se os empresários estão confiantes (vão contratar e investir) ou não estão confiantes (e devem demitir e adiar investimentos). E os indicadores passados, que mostram o que ocorreu. Por exemplo, o número de pessoas que estavam sem ocupação em maio, informado pelo IBGE. É um número importante. Mas, em poucas horas, junho terá acabado e estaremos no segundo semestre de 2020. 

O número de maio é importante, mas é passado. Ele serve como um ponto de referência para podermos analisar o que está à frente, se é melhor ou pior do que o esperado pelos investidores, e se pode, portanto, fazer os preços dos ativos subir ou cair. Por isso, não se assuste com o mar de indicadores que todos os dias brilha nas telas de computador e nos celulares. Esse mar de números, em si, só tem significado com a separação entre o que é sinal e o que é ruído. E, principalmente, com o movimento dos mercados. No acumulado do ano, o Ibovespa está em queda de 19,2 por cento. Parece ruim. No entanto, desde o pior momento da pandemia, ele acumula uma alta de 50,6 por cento.

O que significa tudo isso? Hoje se encerra um dos semestres mais tensos, voláteis e imprevisíveis da história do mercado. Muitos perderam dinheiro, alguns fizeram fortunas. Se você acompanhou os conselhos da equipe de especialistas da Levante no Gabinete Anticaos, durante o pior momento da crise, e se você lê o que escrevemos todos os dias, você soube diferenciar o que é informação e o que é ruído.

Você está pronto para o segundo semestre? Nós estamos. Venha conosco.

INDICADORES – O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar chegou a 49,5 por cento no trimestre encerrado em maio, queda de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre até fevereiro. É mais baixo nível da ocupação desde o início da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 2012. Os dados da pesquisa foram divulgados nesta terça-feira pelo IBGE. A taxa de desocupação passou de 11,6 por cento, no trimestre até fevereiro, para 12,9 por cento no trimestre terminado em maio, atingindo 12,7 milhões de desempregados. 

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) subiu 11,2 pontos em junho, para 71,7 pontos, informou nesta manhã a Fundação Getulio Vargas (FGV). Apesar de ter acumulado uma alta de 20,6 pontos nos últimos dois meses, o índice recuperou apenas 48 por cento das perdas sofridas nos meses de março e de abril deste ano. Houve variação positiva do ICS nos 13 segmentos pesquisados. O Índice de Situação Atual (ISA-S) subiu 7,0 pontos, para 64,0 pontos, fechando o semestre com perda de 28,9 pontos. O Índice de Expectativas (IE-S) cresceu 15,1 pontos, para 79,8 pontos, tendo avançado 32,5 pontos em maio e em junho.

O último pregão do semestre começa com um movimento de queda nos mercados brasileiro e americano. Como é o último dia do mês, do trimestre e do semestre, é bastante provável que haja uma volatilidade mais elevada devido aos movimentos de ajuste dos gestores de recursos. A última hora do pregão de hoje será muito importante para definir o rumo do dia.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: A confiança na retomada prossegue

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel