Faltam equipamentos para obras em São Paulo

Faltam equipamentos para obras em São Paulo

O aquecimento de lançamentos imobiliários na capital paulista começa a se refletir na falta de equipamentos de obras para locação, refletindo em aumentos de preços, que chegam a 60 por cento, em alguns casos.

Ainda não há expectativa de atrasos de obras, mas está mais difícil conseguir alugar equipamentos de fundação já que houve queda na procura e consequente redução na oferta de máquina durante a recessão.

Desde o fim de 2018, o setor tem apresentado crescimento expressivo no volume de projetos lançados, principalmente para a média e média-alta renda, em resposta à demanda represada, à queda dos juros e à perspectiva de retomada da expansão econômica.

Em função da diminuição da quantidade de máquinas e da recuperação do mercado imobiliário, as locadoras não estão conseguindo atender de pronto as construtoras. “A frota de plataforma de elevação, que até 2013 era de 36 mil equipamentos no Brasil, hoje está em 28 mil unidades”, diz Gustavo Faria, presidente para a América Latina da fabricante de equipamentos da Terex.

Segundo o diretor técnico da Trisul, Roberto Pastor, já começam a faltar gruas basculantes, cremalheiras e alguns equipamentos para fundação, principalmente para a capital paulista. Trata-se de cenário que não era visto desde 2014.

Os lançamentos imobiliários do ano passado começarão a ser construídos em 2020 e a falta de equipamentos em São Paulo é um sinal claro de aquecimento e retomada do setor de construção civil no Brasil.

Fora os projetos residenciais, 2020 deve ser marcado pelas muitas obras de infraestrutura. Dessa forma, além do bom momento das construtoras e incorporadas, as empresas de materiais de construção e siderurgia são as próximas da fila.

Entre as siderúrgicas, esperamos que Gerdau seja a mais beneficiada por fabricar o aço longo (vigas e vergalhões) que realmente é utilizado na construção civil diferentemente da Usiminas e CSN que fabricam o aço plano utilizado em carros.

Além disso, Mills (MILS3) é outra empresa que deve se beneficiar. A empresa é uma das maiores prestadoras de serviços especializados de engenharia no Brasil e líder no fornecimento de formas de concretagem, estruturas tubulares e locação de equipamentos motorizados.

* Esse conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: – Ó abre alas que eu quero passar

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Artigos

Resultados da Vale

A Vale (VALE3) divulgou nesta quarta-feira (28), após o fechamento do mercado seus números referentes ao terceiro trimestre de 2020. O resultado veio em linha

Read More »
Artigos

Números da Vivo

A Telefônica Brasil (VIVT3/VIVT4) apresentou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, o seu resultado do 3T20 e que, na nossa avaliação, foi regular

Read More »
Artigos

BTG compra corretora Necton

Na onda de consolidação do mercado em busca de capturar o número crescente de CPFs na bolsa, o BTG Pactual fechou a aquisição da Necton

Read More »
Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel