(Fonte: Divulgação)

Estatais em foco

O noticiário do início da semana tem as estatais brasileiras como foco. A primeira companhia em questão é a Eletrobras, que volta a sofrer com empecilhos políticos no seu caminho para a privatização: mais uma vez, as negociações em torno do projeto travaram no Congresso.

Desde agosto, o mercado havia se animado com a renovação de fôlego sobre o tema, com a retomada das negociações e eventuais concessões para bancadas do Norte e Nordeste no texto – capitaneadas, principalmente, pelo Ministério de Minas e Energia. No entanto, a alta cúpula do Congresso não vê espaço para o tema neste ano e as discussões devem ficar somente para 2021.

Nos bastidores, presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), nunca mostraram disposição real para levar a pauta adiante. Maia até admitiu retomar as discussões sobre privatização, mas avisou que só o faria após as eleições no Congresso, marcadas para fevereiro de 2021.

Ainda no âmbito das estatais, outra companhia que vêm enfrentando dificuldades na esfera política é a Petrobras. Em seu plano de desinvestimentos, a petroleira pretende se desfazer de negócios em outras regiões do país que não aquelas onde o pré-sal está presente (notadamente, RJ e SP). Isso significaria que a empresa estaria de saída de estados das regiões Norte, Nordeste e Sul. O movimento, contudo, enfrenta resistência de governo locais, que temem possível queda de arrecadação e perda de empregos formais.

Nesse contexto, a Petrobras deve ter dificuldades para negociar dívidas ambientais, tributárias e trabalhistas, que precisam ser quitadas para que a saída da companhia dos estados se concretize. Atualmente, são 164 áreas de produção de petróleo e gás à venda no País, sendo 148 fora do eixo Rio-São Paulo. Esse deve ser mais um capítulo do embate entre Petrobras e Congresso – o Senado, por exemplo, vem confrontando há algum tempo, no STF, a venda de ativos da companhia. Ademais, já foi lançada uma campanha pedindo a permanência da estatal nos estados.

Diante de dificuldades políticas, empresas estatais tendem sempre a enfrentar maior volatilidade nos seus preços. A Petrobras, apesar da crescente resistência política, vai conseguindo implementar seu plano de desinvestimentos – mas é possível que a pressão crescente no Congresso torne, a partir de agora, o processo mais demorado. Não vemos impacto negativo no preço da estatal no pregão de hoje.

Por outro lado, temos a Eletrobras, cuja privatização é cara aos seus investidores. Como já mencionei aqui algumas vezes, o tema é extremamente espinhoso e a agenda do Congresso não deve dar prioridade tão cedo à venda da estatal. Acreditamos em uma possível venda, caso ela ocorra, somente no biênio 2021-2022. Nesse contexto, um novo balde de água fria no tema deve derrubar o preço das ações da companhia nesta segunda-feira.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

E eu com isso

Resultados do segundo turno

Os resultados do segundo turno das eleições municipais vieram em linha com o esperado. Conforme previmos, Bruno Covas (PSDB) venceu em São Paulo, Eduardo Paes

Read More »
E eu com isso

O brilho de novembro

O mês de novembro está se encerrando como o melhor de 2020 até agora. Até a sexta-feira (27), o Ibovespa havia subido 17,7 por cento,

Read More »
Fechar Menu

Fechar Painel