Levante Ideias - Inflação

Energia e inflação

Na terça-feira (10), o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou uma inflação de 0,96% em julho e de 8,99% em 12 meses.

No acumulado de 2021, a alta de preços é de 4,76%, tudo medido pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Além da alta do índice em si, um número é especialmente preocupante.

Segundo o IBGE, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em julho.

A maior variação (3,10%) e o maior impacto (0,48 ponto percentual) vieram do grupo Habitação com a alta de 7,88% na energia elétrica.

Vamos analisar os dados do IBGE um pouco mais a fundo.

Na ponta do lápis, o índice “cheio” indica uma inflação de praticamente 9% em 12 meses.

Isso é quase o dobro dos 5,25% da meta de inflação incluindo a tolerância, e quase o triplo da meta simples, que é de 3,75%.

Em si, uma notícia ruim.

No entanto, considerando-se apenas o subgrupo Habitação, a alta acumulada em 12 meses é de 11,2%. E analisando-se isoladamente o subgrupo Energia, a variação entre agosto de 2020 e julho de 2021 foi de 20,7%.

Não por acaso, a Ata da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), também divulgada na terça-feira, chama uma atenção especial para os chamados preços monitorados. São aqueles de setores regulados, como o setor de energia, por exemplo.

A situação da eletricidade está particularmente difícil.

Apesar de a economia ainda estar relativamente desaquecida, o consumo vem crescendo, mas as chuvas estão atrasadas e vieram em quantidade menor do que o esperado.

Assim, os reservatórios estão com pouca capacidade e a geração de energia hidrelétrica diminui.

Para compensar a falta, é preciso recorrer à energia térmica, mais cara.

Isso eleva consistentemente e estruturalmente os gastos da economia como um todo, e pressiona os preços.

Não podemos nos esquecer que eletricidade cara não é apenas um problema na conta de luz das famílias.

Há setores inteiros de atividade que têm sua estrutura de custos pressionada.

Isso para não falar de combustíveis e do gás de cozinha.

Os preços estão tão elevados que algumas famílias de baixa renda retrocederam no tempo e voltaram a usar lenha para cozinhar o arroz com feijão do dia a dia.

Por tudo isso, avizinha-se um tempo em que o Banco Central terá de manter os juros elevados para conter a inflação, apesar de a alta de preços não ter um componente de demanda, mas ser provocada por uma elevação de custos específicos da economia.

E Eu Com Isso?

Apesar de um início negativo, os contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500 indicam uma trajetória de alta. A divulgação de uma inflação no varejo de 0,5 por cento em julho nos Estados Unidos e de 0,3 por cento no núcleo de inflação, que não considera os preços dos alimentos e da energia, injetou ânimo no mercado.

As notícias são positivas para a Bolsa.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

e-eu-com-isso

Leia também: Inflação na mira do Copom.

 

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »
Levante Ideias - Bitcoin China
E eu com isso

BC chinês proíbe criptomoedas

A semana está terminando como começou, com notícias da China provocando turbulências no mercado financeiro. A diferença, desta vez, é que a volatilidade está ocorrendo

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.