Levante Ideias - Banco Central

Bancos centrais na sinuca

Contrariando as expectativas de uma tramitação lenta, o Senado americano foi ágil e aprovou o pacote de ajuda econômica de 1,9 trilhão de dólares no sábado (06). Com isso, foi retirado o último obstáculo que impedia uma injeção recorde de recursos na economia americana. Apesar de ser uma notícia positiva, a semana se inicia com os mercados apontando para baixo.

Durante a madrugada, a remuneração dos títulos de longo prazo do Tesouro americano voltou a subir. A taxa dos títulos referenciais de dez anos avançou para 1,606 por cento ao ano ante 1,590 por cento do fechamento anterior. Já a taxa dos papéis de 30 anos subiu para 2,311 por cento ante 2,288 por cento da véspera, retornando a níveis anteriores à pandemia.

O que aumentou a percepção de risco dos investidores foi a expectativa de que uma injeção tão grande de dinheiro na economia poderá pressionar a inflação nos Estados Unidos, sem que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) esteja disposto a elevar os juros, de modo a não interromper o ainda incipiente processo de recuperação econômica. Jerome Powell, presidente do Fed, tem sido consistente e até repetitivo em suas declarações a esse respeito.

Do outro lado do Oceano Pacífico, a situação é drasticamente diferente. O governo da China indicou uma meta de crescimento para 2021 de cerca de 6 por cento na sexta-feira (05), abaixo das previsões predominantes de 8 por cento. A revisão para baixo das estatísticas indica uma redução dos estímulos econômicos para desalavancar a economia chinesa, especialmente o setor financeiro. Essa decisão, e as advertências das autoridades monetárias chinesas sobre os “excessos” do mercado financeiro global indicou que as autoridades em Pequim, ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos, não estão dispostas a deixar a inflação correr solta. Foi o suficiente para que, na madrugada desta segunda-feira, o índice SSE Composite da Bolsa de Xangai amargasse uma queda de 2,3 por cento.

Qual o problema da inflação? Além de tornarem mais difícil o planejamento econômico, processos inflacionários costumam provocar drásticas transferências unilaterais de renda. Quem tem remunerações fixas, como por exemplo assalariados, vê seu poder de compra desabar com a alta dos preços. Já quem tem acesso a investimentos indexados à inflação ou a ativos financeiros enriquece com o processo. Inflações desarticulam a economia e, se prolongadas, podem lacerar profundamente o tecido social. Assim, é compreensível a prudência de Pequim em tentar evitar uma inflação, ao passo que também é compreensível a tolerância temporária de Washington com preços mais altos. Por isso a sinuca dos bancos centrais, que provoca uma elevação na percepção de risco (definição menor, risco maior) e promete provocar solavancos no mercado.

Relatório Focus

A edição mais recente do Relatório de Mercado Focus, publicada nesta segunda-feira (08) pelo Banco Central (BC), mostra que a projeção para a inflação medida pelo IPCA para 2021 subiu para 3,98 por cento ante 3,87 por cento na semana passada e 3,60 por cento há quatro semanas. A projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) também recuou, caindo para 3,26 por cento ante 3,29 por cento na semana passada e 3,47 por cento há quatro semanas. A taxa de câmbio esperada para dezembro subiu para 5,15 reais ante 5,10 reais na semana passada e 5,01 reais há quatro semanas. A projeção para a taxa de juros referencial Selic para dezembro permaneceu estável em 4 por cento.

Indicadores

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 2,71 por cento em fevereiro, percentual inferior ao apurado no mês anterior, quando havia registrado taxa de 2,91 por cento. Com este resultado, o índice acumula alta de 5,69 por cento no ano e de 29,95 por cento em 12 meses. Em fevereiro de 2020, o índice havia variado 0,01 por cento e acumulava elevação de 6,40 por cento em 12 meses, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Índice de Preços ao Consumidor – Semana (IPC-S) no período encerrado em 7 de março de 2021 subiu 0,67 por cento e acumula alta de 5,76 por cento nos últimos 12 meses.

E Eu Com Isso?

O dia começa com uma forte baixa nos contratos futuros de Ibovespa, que iniciam a semana em queda de 2 por cento. Os contratos futuros de S&P 500 recuam 0,6 por cento no início dos negócios, indicando um dia de baixa.

 

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: As escolhas dos Bancos Centrais.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Selic
E eu com isso

A Selic vai subir 1%

Na terça-feira (03) e na quarta-feira (04) haverá mais uma reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). Desde a edição passada, em junho, estava mais

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Sempre o fiscal

A semana começa movimentada no cenário político, com a volta das atividades legislativas e investidores de olho no quadro fiscal de 2022, a ser definido

Read More »
Levante Ideias - Robinhood
E eu com isso

IPO da Robinhood

A Robinhood (HOOD), polêmica corretora americana voltada ao investidor pessoa física, estreou na NASDAQ na última sexta-feira (30), em uma sessão bastante volátil. Após chegar

Read More »
Copel - E Eu Com Isso - Levante
E eu com isso

Copel vai vender Compagas

Dois eventos ocorridos recentemente parecem ter, enfim, destravado o processo de privatização da Compagas, distribuidora de gás canalizado controlada pela Copel (CPLE6), tendo também como

Read More »
Levante Ideias - Papel
E eu com isso

Resultados da Irani (RANI3) do 2T21

A Irani (RANI3), empresa de papel e celulose focada em papel para embalagem, divulgou na última sexta-feira (30) seus resultados referentes ao segundo trimestre deste

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.