Levante Ideias - Auxílio Emergencial

Auxílio deve voltar

O que já era cogitado por muitos agentes de mercado parece cada vez mais próximo de se concretizar: o pagamento de uma nova rodada do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta segunda (8) que o governo já trabalha com a possibilidade, mas quer estabelecer uma “linha de corte” em relação ao último grupo de beneficiários que recebeu o auxílio em 2020.

Bolsonaro admitiu que tem sido pressionado por grupos distintos – do Planalto e do Congresso – mas defendeu cautela, citando a possibilidade de descontrole fiscal e consequente reação do mercado no câmbio, na inflação e nos juros. O presidente também citou os números de 2020 para apontar que o pagamento do auxílio, ainda que necessário no momento, foi extremamente custoso.

No ministério da Economia, a ideia inicial é pagar 200 reais por três meses a um grupo restrito – excluindo, inclusive, os beneficiários do programa Bolsa Família. Nesse contexto, também se trabalha para aumentar o número de famílias no programa, diminuindo o universo de beneficiários do auxílio. No entanto, o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, tem adotado a postura de que o tema deve ser decidido entre todas as partes do governo e em interlocução com deputados e senadores. Até porque, vale lembrar, o projeto de pagamento do auxílio no ano passado, inicialmente, também previa 200 reais, mas o Congresso aumentou o montante para 600.

Por fim, também se destaca a fala do novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), nesta segunda (8). O senador afirmou que, devido à urgência do novo auxílio, talvez não seja possível condicionar os pagamentos à aprovação de propostas de ajuste fiscal, como a PEC Emergencial.

E Eu Com Isso?

É a primeira vez que o presidente Bolsonaro admite publicamente a volta do auxílio, praticamente confirmando que ele deve voltar sob novo formato e condições. O mercado não reagiu negativamente, uma vez que também já contabiliza a volta do auxílio, mas entende que ele será feito respeitando o teto de gastos.

Nesse sentido, a declaração de Rodrigo Pacheco acabou pesando negativamente para as negociações desta segunda-feira (8), mas, na prática, tem efeito limitado, já que quem bate o martelo nesse tema é o Executivo. Vale ressaltar, porém, que no caso da volta de financiamento desses novos pagamentos por meio do aumento da dívida pública (o que, hoje, não é nosso cenário-base), deve haver repercussão fortemente negativa nos mercados.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Momento de Reflação.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

Um trimestre memorável

Os resultados do segundo trimestre de 2021 têm surpreendido positivamente os investidores. Esse é um fenômeno registrado tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Em

Read More »
Levante Ideias - Congresso Nacional
E eu com isso

Negociações tributárias

Enquanto o recesso parlamentar não acaba, o governo aproveita para se reunir com entidades do setor privado e tributaristas para afinar a segunda fase da

Read More »
Levante Ideias - Google
E eu com isso

Resultados da Alphabet do 2T21

A Alphabet, dona do Google (GOOG), divulgou nesta terça-feira (27), após o fechamento do mercado, seus resultados do segundo trimestre de 2021. Os números vieram

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.