banco central

Autonomia do Banco Central

Pandemias e medidas de isolamento à parte, os investidores terão uma folga nos próximos dias. O pregão da B3 vai encerrar suas atividades às 17 horas da sexta-feira (12) e só retoma os trabalhos às 13 horas da quarta-feira (17). A folga não se limita ao Brasil. Nesta quinta-feira (11), os pregões já não funcionaram na China e permanecerão fechados por mais uma semana devido ao feriado do Ano Novo Lunar, a maior paralisação das atividades na segunda economia do mundo.

Isso dará tempo para que muita coisa aconteça no País e no mundo, e que só terá reflexo nos mercados brasileiros posteriormente, apesar de os American Depositary Receipts (ADR) de empresas brasileiras continuarem sendo negociados durante o carnaval.

Pausas na azáfama diária são momentos propícios para levantarmos vista para além do dia a dia e tentar colocar as coisas em uma perspectiva de mais longo prazo. E, olhando para isso, é possível ter pelo menos duas razões para otimismo. A primeira são os bons números das aberturas de capital, mostrando que ainda há empresários dispostos a compartilhar o controle e os resultados de suas empresas com os investidores. A segunda é uma mudança legal que veio tarde, mas chegou, a independência do Banco Central (BC), aprovada com ampla maioria na Câmara dos Deputados na quarta-feira (10).

Começando pelos IPOs. Os lançamentos de ações já somam R$ 11,4 bilhões em 2021. Nesta quinta-feira (11), estreiam na Bolsa o grupo educacional Cruzeiro do Sul e a empresa de decoração Westwing. Com elas, o número de estreantes no pregão neste ano chega a nove. São quase 11 bilhões de reais em ações vendidas. Somando-se os 2,75 bilhões de reais da oferta subsequente (follow-on) da empresa de TI LocaWeb, são cerca de 14 bilhões de reais. Não se descarta a hipótese de que, ao fim deste ano, tenha sido quebrado o recorde de 149,2 bilhões captados em 2010. Lembrando que, naquele ano, o total foi inflado pelo follow-on de 120 bilhões de reais da Petrobras.

Além da pujança das cifras, os primeiros lançamentos deste ano mostram outra qualidade: a diversidade dos setores. Em fevereiro, a B3 teve seu momento Vale do Silício, com a chegada de três empresas ligadas à economia digital. Foram elas a Mosaico, dona dos comparadores de preços Buscapé, Bondfaro e Zoom, a Bemobi, que oferece assinatura de aplicativos para celular e a loja online de móveis Mobly. Isso ao lado de companhias do bem menos glamuroso setor industrial, como a Intelbras, e a usina de bioenergia Jalles Machado, primeira companhia goiana a chegar ao pregão.

A autonomia do Banco Central (BC) também é algo a se comemorar. Esse é um daqueles assuntos que parece não ter nenhuma importância na vida prática, mas que é fundamental para a estabilidade da economia no longo prazo. Com a mudança aprovada ontem, o presidente e os diretores do BC passam a ter mandatos fixos. Deliberadamente, a troca de comando da autoridade monetária ocorre o mais longe possível das eleições presidenciais, de modo a blindar o comando do BC de influências políticas.

Nos últimos anos, o BC brasileiro – e o País – tiveram a sorte de contar com dois banqueiros centrais não apenas competentes como também respeitados pelo sistema financeiro, Ilan Goldfajn e Roberto Campos Neto. Isso permitiu a manutenção dos juros baixos sem que houvesse um disparo da inflação. E a atuação recente do BC, instalando e depois cancelando o forward guidance (que pretendia definir uma trajetória de longo prazo para os juros) e advertindo contra os riscos da alta de preços, mostra maturidade e responsabilidade da instituição. Isso é excelente. Porém, algo tão fulcral quanto a política monetária não pode ser deixado ao sabor da sorte. Em uma mudança de governo, o sucessor de Campos Neto não pode ser tolerante com políticas populistas. Por isso, a aprovação da autonomia do BC deve ser comemorada, pois retira do radar um risco frequentemente subavaliado.

Indicadores

O setor de serviços ficou estável em dezembro frente a novembro, com uma leve retração de 0,2 por cento. O resultado interrompeu uma sequência de seis meses consecutivos de alta. Apesar do ganho acumulado de 18,9 por cento nesse período, o volume de serviços ainda se encontra 3,8 por cento abaixo do patamar de fevereiro, quando as medidas de isolamento social para controle da pandemia de Covid-19 ainda não haviam sido adotadas. Com isso, o setor encerrou o ano com uma queda acumulada de 7,8 por cento entre janeiro e dezembro. Os dados constam da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quinta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a queda mais intensa desse indicador desde o início da PMS, em 2012.

E Eu Com Isso?

Os contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500 iniciam a sessão em alta. No Brasil, o estímulo é pela aprovação da independência do Banco Central. Nos Estados Unidos, o otimismo deve-se às declarações de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que as políticas de estímulo devem continuar.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia mais: O Banco Central refez as contas

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Telecomunicação
E eu com isso

Onda de M&A na telecom

Um estudo publicado pela consultoria RGS Partners mostra que o Brasil movimentou mais US$ 92 bilhões em fusões e aquisições em 95 transações entre 2010

Read More »
Levante Ideias - Banco Central
E eu com isso

Semana decisiva para os juros

A próxima semana será decisiva para a trajetória dos juros brasileiros de agora em diante. Em circunstâncias normais, o prognóstico seria de alta das expectativas

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel