Sérgio Moro - Levante Ideias

As exéquias da Lava Jato

Foi um dos velórios mais longos de que se tem notícia. Durou mais de dois anos, mas foi concluído na tarde da terça-feira (23). Ontem, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), alterou seu voto anterior, proferido em março de 2018, e decidiu a favor da suspeição do juiz Sérgio Moro na condução dos processos da Operação Lava Jato que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após esse prolongado rito fúnebre, a maior operação de combate à corrupção já realizada pelo Judiciário brasileiro está oficialmente sepultada.

O impacto dessa decisão será profundo. É questão de tempo para os demais acusados e condenados pedirem a anulação de suas sentenças e prepararem seu retorno ao cenário político, o que vai embaralhar de vez as cartas da sucessão presidencial. As eleições agendadas para 2022 pareciam já estar definidas. No entanto, no dia 8 de março, o ministro Edson Fachin anulou as condenações de Lula. Apesar de a decisão ainda ter de ser confirmada pelo plenário do Supremo, em teoria isso torna o ex-presidente um “ficha limpa” e permite uma eventual candidatura. E a provável volta de Lula à disputa insere uma nova variável nas já complicadas equações eleitorais.

É difícil medir o peso político do ex-presidente, que foi julgado e condenado, e permaneceu 580 dias encarcerado na sede da Polícia Federal em Curitiba. O Lula que, eventualmente, aparecerá nas máquinas de votação no ano que vem é sem dúvida menor do que o candidato vitorioso em quatro eleições, duas em que concorria pessoalmente, e duas apoiando Dilma Rousseff. O quanto menor é a pergunta de vários bilhões de dólares. Medir a preferência do eleitorado é algo difícil em circunstâncias normais. Em um país devastado pela pandemia, a complicação aumenta exponencialmente.

E, ainda que seja possível medir o tamanho de Lula na preferência do eleitorado, a questão seguinte é: qual Lula está disputando a Presidência? O Lula fiscalmente responsável da Carta ao Povo Brasileiro de 2002 ou o Lula gastador pós-2008? O presidente que manteve Henrique Meirelles à frente do Banco Central (BC) por oito anos, ou o presidente que se aliou gostosamente ao Centrão para impedir as investigações do Mensalão e do Petrolão ainda em seu primeiro mandato?

Ainda não há respostas para essas perguntas, e nem se sabe se a decisão será sacramentada pelo plenário do Supremo. Mas isso acrescenta novas doses de incerteza a um cenário já bastante indefinido.

Se Lula é uma incógnita, o atual presidente também é. Não custa lembrar que, em 2018, o então candidato Jair Bolsonaro empunhava uma bandeira liberal, privatista e favorável às reformas. O presidente Bolsonaro avançou pouco com as reformas, desidratou o ministro Sérgio Moro, interveio na Petrobras e demorou um ano para ceder aos fatos de que há uma pandemia e que é preciso vacinar maciçamente o povo para contê-la. Qual desses dois Bolsonaros será candidato, o liberal ou o populista? Outra questão de vários bilhões de dólares.

Cenário Internacional

Os preços do petróleo vêm mostrando uma volatilidade elevada. Na terça-feira as cotações caíram devido a notícias de uma terceira onda da pandemia na Europa e da redução dos prognósticos para o crescimento da economia alemã em 2021. A estimativa agora é de um avanço de 3,7 por cento, abaixo dos 4,1 por cento previstos anteriormente. Divulgada na terça-feira (23), a nova estimativa derrubou os preços do petróleo em mais de 6 por cento. No entanto, as cotações estão subindo mais de 2 por cento nesta quarta-feira com notícias de que um navio porta-contêineres encalhou no canal de Suez, e está bloqueando a passagem, travando uma das principais rotas comerciais que abastece a Europa com petróleo.

Na manhã desta quarta-feira, os contratos futuros do petróleo do tipo Brent eram negociados a 62,38 dólares, alta de 2,62 por cento, e os contratos do petróleo do tipo West Texas Intermediate (WTI) eram negociados a 59,35 dólares, alta de 2,75 por cento. Os contratos de ferro com teor de 62 por cento eram negociados a 167 dólares por tonelada.

E Eu Com Isso?

A quarta-feira começa com uma alta nos contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500. No entanto, o dia pode ser marcado por volatilidade, na expectativa de mais um pronunciamento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, diante do Senado americano.

Este conteúdo faz parte da nossa Newsletter ‘E Eu Com Isso’.

Para ficar por dentro do universo dos investimentos de maneira prática, clique abaixo e inscreva-se gratuitamente!

e-eu-com-isso

Leia também: Discurso de Lula.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Federal Reserve
E eu com isso

O que esperar da Super Quarta

Este dia foi apelidado de “Super Quarta”, pois, tanto o Banco Central (BC) quanto o Federal Reserve (Fed), o BC americano, vão revelar suas visões

Read More »
Levante Ideias - Eletrobras
E eu com isso

Sem acordo na Medida Provisória

A Medida Provisória 1.031/21, que trata da desestatização da Eletrobras (ELET3/ELET6), entra em sua reta final faltando apenas seis dias para que seu prazo de

Read More »
Levante Ideias - Roblox
E eu com isso

Dados operacionais da Roblox

A Roblox (RBLX), plataforma para desenvolvedores de games, anunciou nesta terça-feira (15), dados operacionais referentes ao mês de maio. Na comparação anual, os dados vieram

Read More »
Levante Ideias - Ultrapar
E eu com isso

Ultrapar perto de vender Oxiteno

O grupo tailandês Indorama, uma das grandes empresas do setor químico e petroquímico, parece ter avançado nas negociações com a Ultrapar (UGPA3) para a compra

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Fechar Menu

Fechar Painel