ADRIANO MACHADO/REUTERS Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/10/22/A-reforma-da-Previd%C3%AAncia-foi-aprovada-quais-seus-efeitos-na-economia © 2019 | Todos os direitos deste material são reservados ao NEXO JORNAL LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.

A reforma tributária será entregue

O governo planejava entregar a sua proposta de reforma tributária em partes, a primeira sendo apresentada já nesta semana. Hoje, às 14h30, o Congresso Nacional – por meio de seus presidentes, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) – recebe o ministro da Economia, Paulo Guedes, para uma cerimônia de entrega oficial do texto. 

O projeto da equipe econômica unifica o PIS e o Cofins, dois tributos federais que incidem sobre o consumo e, devido às complexas regras e minúcias, causam forte distorção no sistema tributário brasileiro. Pelo texto, o novo imposto levará o nome de Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e terá alíquota de entre 11 e 12 por cento. O princípio é o mesmo dos impostos  sobre valor agregado, mundialmente utilizados. Ainda, a proposta onera todos os itens da cesta básica ao extinguir todas as isenções relacionadas ao PIS/Cofins. 

Uma vez que essa mudança legal, no sistema tributário, não trata de texto constitucional, existe maior facilidade para sua aprovação. O texto do governo, porém, não trata de impostos estaduais e municipais – caso da PEC 45/19 e da PEC 110/19, ambas em tramitação, respectivamente, na Câmara e no Senado – sendo, portanto, uma reforma menos agressiva (ainda que o governo pretenda enviar outras propostas em etapas futuras). A avaliação da equipe econômica é que uma possível unificação com os tributos subnacionais ficaria para momento posterior, ou, caso as partes optem pela unificação em paralelo, não ocorrerá, seguindo o modelo de dois Impostos sobre Valor Agregado distintos, também conhecido como IVA dual.

A partir de agora, começam oficialmente as discussões sobre reforma tributária no Legislativo, campo onde propostas viram lei; projetos viram realidade. A discussão central, neste momento, girará em torno do alcance da reforma. Os projetos do Congresso são mais ambiciosos e geram maiores retornos econômicos, mas, por outro lado, o projeto do governo não gera resistência de setores como o de comércio.

Dada a complexidade do nosso sistema, existirão interesses difusos sobre a pauta e cabe ao governo, junto ao Congresso, conciliar as propostas em torno de um texto factível. Seguimos otimistas com a aprovação de uma reforma tributária até o ano que vem, mas cientes de que ela pode não ser a mais potente das propostas que hoje estão na mesa. Ainda assim, o mercado reage positivamente à entrega do texto.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Política sem Aspas, por Felipe Berenguer
Política Sem Aspas

Qual Terceira Via? | Política sem Aspas

Expressão largamente utilizada nos noticiários e na política brasileira, especialmente nesta última década, a “Terceira Via” foi consagrada a partir de teoria elaborada por um

Read More »
Levante Ideias - Câmara dos Deputados
E eu com isso

Rumo ao plenário

Na esteira do que antecipamos nesta quinta-feira (23), a comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 32/2020, que

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.