fed

A pergunta de um trilhão de dólares

Todas as atenções desta quarta-feira (10) estão voltadas para Washington, mais especificamente para o Federal Reserve (FED, o banco central americano) e seu presidente, Jerome Powell. Até agora, Powell e o FED têm realizado um trabalho exemplar para preservar a saúde da economia americana (e, por tabela, o bem-estar da economia mundial) em tempos de pandemia. O receituário de baixar os juros e abrir ao máximo as torneiras da liquidez garantiu a solvência dos bancos e a saúde dos mercados acionários, e também pode ter tido um poderoso efeito benéfico sobre a economia real. Em maio, os Estados Unidos criaram 2,5 milhões de vagas, ante uma expectativa de 8,7 milhões de demissões. Agora, com o presente encaminhado (ainda que não resolvido), a pergunta de vários trilhões de dólares é: o que vem agora?

O mais importante, além da decisão sobre os juros – que deverá sinalizar a manutenção das taxas – é a divulgação das projeções macroeconômicas do Fed. A expectativa é que o BC americano vai indicar que espera uma contração da atividade econômica, o que justificaria tanto a manutenção das taxas de juros no patamar atual próximo de zero quanto a permanência da liquidez elevada. No entanto, a descrição de cargo de qualquer presidente de banco central exige uma postura cautelosa. Porém, qualquer declaração de Powell que possa ser interpretada como uma redução na disposição de manter a economia crescendo pode provocar ondas de turbulência nos mercados.

O FED começou a baixar os juros e a expandir a liquidez em março, criando linhas de crédito para emprestar dinheiro a empresas americanas. No entanto, há um debate crescente dentro do FED sobre até quando essa política deve ser mantida, e se é necessário divulgar metas para essa expansão. Em suma, se haverá uma sinalização sobre os próximos passos a ser dados pela autoridade monetária americana.

INDICADORES – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve para balizar as metas de inflação, registrou novamente uma deflação (queda de preços) em maio. No mês passado os preços recuaram 0,38 por cento, após terem caído 0,31 por cento em abril. Foi o menor índice (ou a maior deflação) desde os 0,51 por cento de queda registrados em agosto de 1998, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No acumulado do ano, o índice registrou uma deflação de 0,16 por cento. Já nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 1,88 por cento. O resultado está bem abaixo da meta de inflação de 4 por cento do governo para 2020, que tem tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A causa da deflação foi a queda de 4,56 por cento nos preços dos combustíveis, além da baixa de 27,14 por cento nos preços das passagens aéreas. A inflação dos alimentos também desacelerou. Os preços subiram 0,24 por cento em maio após terem subido 1,79 por cento em abril.

Mesmo atento às notícias que devem vir de Washington no início da tarde, o dia começa positivo. Os contratos futuros de Ibovespa e do índice americano S&P 500 começam o dia no terreno positivo. No entanto, mantenha muita atenção na decisão da taxa de juros dos EUA que ocorrerá às 15h (a coletiva do Jerome Powell ocorrerá às 15:30h), essa decisão será de grande importância para o fechamento dos mercados.

* Este conteúdo faz parte do nosso boletim diário: ‘E Eu Com Isso?’. Todos os dias, o time de analistas da Levante prepara as notícias e análises que impactam seus investimentos. Clique aqui para receber informações sobre o mercado financeiro em primeira mão.

Leia também: Jerome Powell, presidente do Fed, descarta adotar juros negativos

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Recomendado para você

Levante Ideias - Cosan
E eu com isso

Fundo da Cosan amplia portfólio

A Cosan (CSAN3), veículo de investimento (holding) com foco em energia, agronegócio e infraestrutura que controla empresas como Raízen (RAIZ4) e Rumo (RAIL3), anunciou via

Read More »
Levante Ideias - Dinheiro
E eu com isso

Acordo para precatórios

Após uma série de discussões de bastidor, os Três Poderes vão caminhando em direção a uma solução para os precatórios no Orçamento de 2022. A

Read More »
Levante Ideias - Evergrande
E eu com isso

A Evergrande não é tão grande

O conglomerado chinês Evergrande (3333.HK) pode, sem exagero, ser considerado um império. É a segunda maior incorporadora chinesa. Emprega 200 mil pessoas e gera 3,8

Read More »

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.