Levante Ideias - Domingo de Valor

Ué, a privatização não era uma boa? | Domingo de Valor

Quem usou o FGTS para comprar as ações da Eletrobras deve estar pensando: “mais uma vez eu que vou pagar a conta”. O sentimento na largada após a alta demanda é: “além de pagar mais na conta de Luz, já tô perdendo 6%.”

Aquele investimento de 3% + TR do FGTS, antes sem graça, pode parecer um excelente negócio agora.

Bom, vamos comentar sobre o sucesso da oferta e sobre perspectivas. O que esperar daqui pra frente e, para quem não entrou, será que a hora é agora?

Em números, foram mais de 800 milhões de ações vendidas, mais de 33 bilhões de reais a um preço de R$ 42,00. A demanda de pessoas físicas totalizou 9 bilhões, dos quais 6 bilhões de reais foram alocados por mais de 370 mil pessoas que decidiram usar o FGTS para isso.

Olhando para os tubarões, 45% do volume foi internacional. Destacamos o maior alocador, com 3,5 bilhões de dólares, na Eletrobras: o Fundo Soberano de Cingapura, (GIC).

Até os mais antigos de mercado devem estar surpresos com os números que colocam esse processo como o segundo maior da nossa Bolsa, perdendo apenas para Telebrás, em 1998. Sim, superou o movimento semelhante ao da Vale (1997) e ao da Petrobras (2000).

Ao olharmos fatores mais importantes que o fluxo, entendendo que esses pontos não mudarão tão cedo, permita-me repetir aqui o resumo da análise que fiz quando fui entrevistado pelo Valor Investe, em 20/05, dia de pré-oferta:

Dois pontos de destaque para, em poucas linhas, guardarmos o que esperar no longo prazo:

  • O setor é aquele que pode ter performance relativa melhor, considerando o cenário
  • O “risco-governo” mais atrapalha que ajuda a empresa

Dito isso, as perspectivas para longo prazo estão mantidas. Mas e o curto prazo? É nesse cenário que busco oportunidades todas as semanas. O jornal voltou a procurar respostas, assim como todos no mercado.

Me permita utilizar outro comentário para o Valor, do último dia de pré-oferta (09/06):

Antecipadamente, comentamos esses pontos com você, leitor do nosso Domingo de Valor, de forma muito transparente e sem viés.

No curto prazo, a queda de 5% deve ser colocada na conta. Precisamos e podemos nos beneficiar dessas distorções entre fundamento e expectativa.

A nossa eterna busca, enquanto analistas de mercado, é a diferença entre preço e valor.

Sempre lembrando que preço é o que você paga, valor é o que você leva. Preço é relacionado à expectativa, valor, aos fundamentos do ativo.

O mercado é irracional o tempo todo. Se não soubermos observar essas diferenças, vamos nos frustrar sempre no curto prazo e, pior que isso, teremos performance negativa no longo prazo.

Hoje, foi a Eletrobras. Há 20 anos, foi a Petrobras. Amanhã, o assunto será outro. E o que aprendemos com isso tudo?

Tento tirar sempre lições de mercado.

Considero que todos aprenderam:

  • Vale a “perda” dos 6% para quem usou o FGTS
  • Vale a sensação de alívio para quem não entrou e
  • Vale, também, a expectativa daqueles que aproveitaram o desconto ou que ainda buscam a oportunidade de balancear a carteira.

Espero que este texto possa ter contribuído na análise resumida e fria, sem o calor do capital em jogo.

Mais importante do que acertar sempre ou participar ou não de um processo de privatização é: aprender, gerenciar risco e rentabilizar a carteira.

Para isso, precisamos nos posicionar. Não fazer nada não é uma opção, a menos que fiquemos tranquilos em perder por hora 9% ao ano para a inflação.

Grande abraço,

Enrico Cozzolino

O conteúdo foi útil para você? Compartilhe!

Recomendado para você

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.