O fim da cultura do CDI 2.0

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Na última quarta-feira (31/jul), o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa de juros do Brasil em 50 pontos base. Assim, a a taxa Selic atingiu o mais baixo nível da história do Brasil: 6,0% ao ano.

Essa mesma taxa (Selic) ficou em 14,25% de julho de 2015 até agosto de 2016. Em três anos, a tesoura do Banco Central cortou os juros brasileiros em impressionantes 825 pontos base.

A taxa de juros caiu de 1,12% ao mês para 0,49% ao mês em julho de 2019. Tal mudança definitivamente confirmou a morte da cultura do CDI. Eu escrevi sobre o assunto nesta coluna aqui.

Projeção Relatório Focus

Segundo a previsão do relatório Focus do Banco Central, a taxa Selic deverá cair ainda mais e vai atingir 5,5% no final de 2019, se mantendo neste patamar até final de 2020.

Alguns economistas do mercado têm projeções de taxa de juros em patamares ainda mais baixos no final de 2019: Banco Itaú com Selic de 5,0% e Bank of America/Merril Lynch com 4,75%.

Estão programadas apenas mais três reuniões do Copom em 2019, que decidirão por mais cortes (ou não) na taxa de juros Selic. A tesoura “vai cantar”, meus caros.

O fim da cultura do CDI

Esse novo corte na taxa de juros Selic para 6% ao ano jogou uma pá de “call” (me desculpem o inevitável trocadilho) na cova do velho CDI como alternativa de investimento.

A vida do rentista que já não estava das melhores, agora ficou ainda mais difícil. Não tem mais a moleza do “bom, bonito e barato” nas aplicações financeiras, ou seja, o dinheiro investido em juros pós-fixados (CDI) não tem mais liquidez imediata, baixo risco e alto rendimento.

Fim do “overnight”

A economia brasileira sempre foi muito indexada e atrelada à taxa de juros (CDI) desde a época do “overnight” nos tempos da hiperinflação.

Assim, o rendimento das aplicações financeiras sempre foi analisado em relação ao benchmark (base de comparação), que sempre foi o CDI.

Portanto, o investidor brasileiro nunca pensou no retorno do seu portfólio de investimentos em termos absolutos ou em termos reais (descontada a inflação). As aplicações financeiras tradicionais de renda fixa (CDBs de bancos, fundos de investimentos e títulos públicos) sempre tiveram o seu desempenho medido em relação ao CDI (% do CDI). O ideal, inclusive, é que parássemos de falar em percentual do CDI. Nos Estados Unidos não se fala em percentual do Fed funds e nem em qualquer outro país desenvolvido.

O brasileiro ficou acostumado com “número mágico” de 1% ao mês de rendimento da renda fixa (aluguel). Afinal, a taxa de juros era alta, o que significava rendimento alto, com baixo risco e liquidez imediata. Como diria a música do Roberto Carlos: “Daqui pra frente tudo vai ser diferente”.

Curva de juros futura

A taxa de juros futura longa DI Jan 2025 saiu do patamar de 9% ao ano no começo de 2019. Atualmente, está em 6,9% ao ano, redução de quase 200 pontos base. Isso indica claramente a queda adicional na taxa de juros no futuro.

Na ponta do lápis

Agora, caro leitor, irei demonstrar com exemplos numéricos o impacto de uma menor taxa de juros no seu bolso:

R$ 100 mil aplicados num CDB de um grande banco (com taxa equivalente a 100% do CDI) teria rendimento bruto (sem imposto de renda) de R$ 14.250 durante o ano todo de 2016 (considerando o CDI de 14,25% vigente na época).

Com a atual taxa Selic a 6,0% ao ano, o mesmo rendimento bruto seria reduzido para R$ 6.000, 58% a menos do que o rendimento de 2016.

Quer ganhar mais? Então corra mais risco

Com o fim da cultura do CDI, para se chegar ao mesmo rendimento de 2016, será necessário correr mais risco.

Neste cenário, será fundamental aprender como investir em ações. Chegou a hora do brasileiro aumentar o risco nos seus investimentos. Eu também já escrevi um artigo sobre o assunto aqui.

Investimento em ações está apenas começando

Os fundos de ações já captaram R$ 23,5 bilhões nos seis primeiros meses de 2019. Em junho, tinham patrimônio total de R$ 367,5 bilhões. Somente como base de comparação: a caderneta de poupança tinha saldo de R$ 792,9 bilhões no mesmo período. Isso significa quase o dobro do montante investido nos fundos de ações!

Os fundos dedicados exclusivamente a ações ainda representam apenas 7,3% do total dos recursos aplicado na indústria de fundos de investimento (R$ 5,921 trilhões), segundo dados da Anbima. Acredito que os fundos de ações podem retomar o patamar de 12% do total de fundos alcançado em 2009.

O aumento da alocação em renda variável (ações) será impulsionado pelo baixo e sustentável nível da taxa de juros, retomada do crescimento econômico, realização das tão necessárias reformas (não apenas da previdência, mas também a tributária) e a reconquista do grau de investimento.

Antes tarde do que nunca

O momento macroeconômico e político nunca foi tão favorável para o corte sustentável da taxa de juros no Brasil. O tripé macroeconômico (inflação sob controle, retomada do crescimento do PIB esperado de 2,1% em 2020 e conta públicas em ordem, com redução do déficit) junto com a aprovação da reforma da Previdência pavimentaram o caminho para o Brasil reconquiste o grau de investimento no segundo semestre de 2020.

A cultura do CDI morreu, o país não. Pelo contrário, o Brasil está no caminho certo para retomar o crescimento econômico. Portanto, ainda há muitas oportunidades em renda variável.

Novo projeto 

Talvez você já tenha visto a novidade nas redes sociais. Mas faço questão de contar tudo para você também aqui…

Nesta semana, vou abrir um novo projeto de investimento. Algo inédito e exclusivo. Além disso: voltado para você tirar proveito desse momento extraordinário no mercado. 

Para dar o pontapé inicial, gravei um vídeo que, apesar de breve, considero de extrema relevância para você. É apenas o primeiro passo para o Seu Levante Financeiro… 

Uma minissérie 100% gratuita, que vai mostrar em três episódios como é possível ganhar em apenas seis meses o equivalente a seis anos no mercado.

Para acessar, clique aqui.

Bons lucros.

Um grande abraço,
Eduardo Guimarães

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Recomendado para você

Nova CPMF engavetada

Após reunião do presidente com líderes partidários, o governo optou por engavetar a segunda etapa de sua reforma tributária. Conforme mencionado no E Eu Com

Hapvida faz aquisição

A Hapvida (HAPV3) emitiu na noite desta segunda-feira (28) um comunicado ao mercado informando a aquisição do Grupo Santa Filomena por 45 milhões de reais.

Fechar Menu

Fechar Painel