acoesdaoicuidadosquevocedevetomarantesdeinvestirnelas

Ações da Oi: cuidados que você deve tomar antes de investir nelas 

Conceituada no setor de telecomunicações, a Oi (OIBR3, OIBR4) é uma empresa que, apesar de ter quase 60 milhões de clientes, vem passando por certas dificuldades. Dívidas, renovação tecnológica do setor e outros fatores têm provocado algumas opiniões divergentes acerca de seus papéis. 

Em suma, se a sua intenção for ganhos de curto prazo, a empresa pode até representar uma boa oportunidade (e isto, é claro, com as análises necessárias e quando o foco for eventos pontuais de ganhos). Entretanto, para aqueles que querem ganhos de longo prazo, a melhor escolha são empresas mais sólidas e que possuem um histórico saudável, o que torna o investimento mais seguro e duradouro.  

Neste artigo, a fim de esclarecer melhor o que você deve levar em conta ao cogitar investir nas ações da Oi, falaremos sobre a companhia em si, o histórico de seus papéis e, também, as perspectivas futuras para a empresa. 

Uma breve história

Fundada oficialmente em 2002, a Oi começou suas operações com a privatização da Telemar, em 1998. Vale ressaltar que o sucesso foi grande no ano de seu lançamento, com 1,4 milhão de clientes. Em período posterior (2008), a companhia fundiu-se com a Brasil Telecom.

Com a fusão, a Oi, que já controlava boa parte do setor de telefonia fixa e móvel no Brasil, implementou diversas inovações tecnológicas – à época -, tais como: a rede 3G, a TV móvel pelo celular etc. 

Hoje, a empresa possui cerca de 57 milhões de clientes. Durante décadas, a Oi consagrou-se no mercado. O seu êxito nessa empreitada é reconhecido, apesar do difícil momento atual: atualmente, a companhia está entre as cinco maiores do ramo na América do Sul.

História das ações da Oi

O histórico de ações da Oi, desde que a empresa abriu o seu capital, possui uma relativa volatilidade — o conhecido “sobe e desce da Bolsa”. 

Os papéis, que começaram sendo ofertados por aproximadamente R$ 12,00, já chegaram a variar de aproximadamente R$ 80,00, pouco antes de 2013, a até menos de R$ 1,00 (em março, as ações chegaram a cair para R$ 0,40).

Ao procurar pelas ações da Oi, o investidor encontra dois tipos: OIBR3 e OIBR4. O primeiro tipo refere-se às Ações Ordinárias (ON), que dão direito a voto em assembleia; já o segundo refere-se às Ações Preferenciais (PN), que dão preferência no recebimento de proventos (na maior parte dos casos, dividendos).

Como os últimos anos não foram os melhores para a empresa, resolvemos separar alguns pontos positivos e negativos sobre os seus papéis para ajudar você a entender melhor a situação atual. 

Pontos negativos

Para se ter uma ideia, a receita líquida da companhia no último trimestre de 2019 foi menor que a do ano retrasado, o que pode ser visto como um mau sinal. Também há a questão de que, desde 2013, a Oi está em recuperação judicial e não distribui dividendos. 

Outro ponto que pode prejudicar a valorização das ações são as mudanças tecnológicas do setor de telefonia. Agora, existe mais concorrência, dificultando um pouco a ampliação de mercado.

Pontos positivos

Neste ano, a Oi tomou algumas decisões que refletiram – e ainda refletem – na valorização de seus papéis. Recentemente, a companhia vendeu 25% da Unitel, sua empresa angolana de telecomunicações. Para muitos investidores, o negócio indica mais capital entrando na empresa.

Ela também divulgou que há interesse de outras empresas em comprar a sua parte ligada ao setor móvel. A notícia fez com que suas ações subissem 15%. 

Principais cuidados ao investir nas ações da Oi

Para investir em ações com segurança, é fundamental analisar bem a empresa de sua escolha. Geralmente, três focos dessa análise são: o histórico dos preços, o nível de endividamento e a rentabilidade.

No caso da Oi, por exemplo, avaliar o preço de seus papéis é fundamental para aproveitar o melhor momento de compra, quando as ações possuem um bom preço e a tendência é de alta – o que traz melhores oportunidades de ganho.

Além disso, o nível de endividamento pode ser crucial para saber se a empresa terá capital suficiente para fazer investimentos, entre outras coisas – fator importante para a sua valorização. A Oi tem um largo histórico de dívidas e está em recuperação judicial – é necessário considerar esse fato. 

Em relação à rentabilidade, as altas do passado não são garantia de um futuro promissor. O mercado muitas vezes não segue uma linha reta, podendo ter algumas variações ou ser impactado de modo a mudar certas tendências. Sendo assim, a conclusão é que é importante ter cautela com as ações da Oi justamente pelas condições da empresa atualmente, ainda em estado de recuperação – como já dito anteriormente.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook

Ajudamos você a investir melhor, de forma simples​

Inscreva-se para receber as principais notícias do mercado financeiro pela manhã.

Recomendado para você

Política Sem Aspas

O desafio do teto – parte II

Na primeira parte dessa dupla de textos, concentrei-me em elencar e dissertar acerca das principais regras fiscais em voga hoje no Brasil. Naquela ocasião, deixei

Read More »
Artigos

Política acima de tudo!

O mercado vive uma certa trégua em relação à volatilidade mais acentuada de algumas semanas atrás. Discussões importantes foram adiadas para depois das eleições. Quem

Read More »
tipos de ações da bolsa de valores
Artigos

Empresas preparam IPOs

Nas últimas semanas, o número de prospectos de IPO protocolados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aumentou em quase dez, com as companhias “aspirantes” ao

Read More »
Artigos

Resultados da WEG

A Weg (WEGE3) apresentou nesta quarta-feira (21), antes da abertura dos mercados, os seus resultados referentes ao 3T20. Os números vieram bons e acima das

Read More »
Fechar Menu
Fechar Painel