domingooo2

A ganância é boa

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Um dos meus filmes preferidos sobre mercado financeiro é o “Wall Street, poder e cobiça”. A frase título da coluna de hoje sobre ganância faz referência ao personagem principal, Gordon Gekko (interpretado pelo ator Michael Douglas), que é um investidor/especulador que ganha muito dinheiro utilizando informações privilegiadas nos anos 80 (a frase em código “Blue Horseshoe loves Anacott Steel”).

Emoções humanas no mundo dos investimentos

A frase acima é muito boa, pois demonstra a principal emoção que move os seres humanos quando estão realizando um investimento. Afinal, quem investe no mercado financeiro (especialmente no mercado de ações) entra com o objetivo de ganhar muito dinheiro e ficar rico, não é mesmo? Do contrário, qual seria o sentido de investir na Bolsa de Valores?

=> É A HORA DA PETROBRAS? BAIXE O RELATÓRIO GRATUITO

O mundo moderno está cada vez mais polarizado, com dois lados bastante definidos. Ou seja, um mundo binário cheio de zero ou um e preto e branco, com poucos tons de cinza. Como diz o meu tio que mora lá na roça: “De carne de porco a sorvete”. No mundo dos investimentos, existem dois polos opostos em termos de emoções humanas: ganância e medo.

Os investimentos mais populares do Brasil são poupança e criptomoedas

No mundo dos investimentos, eu acredito que os opostos representados por medo e ganância são: poupança (seguro morreu de velho) e bitcoin, respectivamente.

Mesmo com o baixo rendimento da poupança (cuja rentabilidade mal supera a inflação), existem cerca de 65 milhões de investidores (CPF’s) com recursos na poupança. O saldo total de recursos aplicados na poupança era de R$ 776,2 bilhões em outubro de 2018. A captação líquida da poupança totalizou R$ 23 bilhões de janeiro a outubro de 2018, mesmo com taxa de juros (Selic) no baixo nível de 6,5% ao ano. Por isso, a poupança representa cerca de 70% do total de recursos aplicados pelos investidores no varejo tradicional.

Existem mais de um milhão de investidores em criptomoedas (principalmente Bitcoin) no Brasil. A maioria dos investidores tem idade entre 18 e 30 anos e está em busca de novas tecnologias e investimentos. O retorno do Bitcoin foi de 1300% em 2017 e atingiu o topo histórico de cerca de R$ 65 mil em dezembro do ano passado. Isso que eu chamo de ganância.

Um psicólogo venceu o prêmio Nobel de economia

Daniel Kahneman é um economista comportamental que combinou ciência cognitiva para analisar o comportamento irracional (emocional) em situações racionais de tomada de decisão envolvendo risco. O resultado é que os seres humanos são emocionais quando supostamente deveriam ser racionais. Um exemplo disso é que o medo da perda é mais forte do que a vontade de ganhar. Num experimento, a maior parte das pessoas preferia não perder R$ 100 do que ter um desconto de R$ 100 num determinado produto. O ganho econômico esperado era o mesmo, mas as pessoas têm muito mais medo de perder e preferiram o medo à ganância.

50 tons de risco e retorno

A seguir, segue um dado alarmante: a população de presidiários no Brasil é de 726 mil pessoas, número praticamente igual à quantidade de investidores na Bolsa de Valores.

Se a ganância é boa e a maior oportunidade de ganho está na Bolsa de Valores, por que existem apenas 730 mil investidores com conta cadastrada em corretoras de ações?

A resposta é simples: o medo de perder dinheiro é maior do que a ganância de ganhar, como bem mostra o estudo de Daniel Kahneman que citei há pouco.

É preciso buscar um meio termo entre o medo e a ganância no mundo dos investimentos. Entre a poupança (menor risco) e o Bitcoin (risco máximo) existem muitas alternativas de investimento: fundos de investimento (DI e Crédito Privado), renda fixa (Tesouro Direto), fundos imobiliários, fundos multimercado e os próprios investimentos em ações.

O brasileiro ainda não conhece bem a Bovespa

Eu acredito que o investidor brasileiro até já ouviu falar das empresas da Bolsa, mas não investe por falta de informação e conhecimento e pouca tradição para correr mais riscos – afinal, a taxa de juros sempre foi muito alta no Brasil. Eu acredito que essa cultura está chegando ao fim e que o brasileiro irá aumentar a sua alocação de investimento em ações. Inclusive, eu escrevi um artigo sobre o fim da cultura do CDI para o site da Levante.

Com esse grande fluxo de recursos direcionados para o investimento em ações, pode haver uma grande janela de oportunidade para você obter alta rentabilidade na Bolsa. Muitas pessoas que já assinam o produto As Melhores Ações já estão lucrando com as 7 ações recomendadas por mim na série.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Recomendado para você

Mini Guia de Imposto de Renda

Investir é uma tarefa cada vez mais simples, principalmente por conta da facilidade do uso da internet. Mas é preciso fazer um alerta: a Receita

Superministros e Seus Poderes

Como dizem por aí, nem todo herói usa capa. O ditado popular, nas entrelinhas, quer dizer que existem “heróis” em toda parte. São pessoas comuns,

Ações Small Caps: o lado B da Bolsa

Eu gosto muito de ouvir música, contar histórias e de analisar ações de empresas na bolsa de valores. Na coluna de hoje pretendo usar um

Fechar Menu
Fechar Painel